Vendas do Dia das Crianças devem marcar a retomada do comércio

No TBC 2, gerente da CDL Goiânia aponta pesquisa realizada pela entidade, segundo a qual 93% dos ouvidos disseram que pretendem comprar por causa da data

O apresentador Guilherme Rigonato e o gerente de Negócios da CDL Goiânia, Wanderson Lima, nos estúdios da TBC

Nada como uma boa data comemorativa para marcar a retomada do comércio varejista, depois dos momentos difíceis para os negócios provocados pela pandemia da Covid-19. Conforme pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Goiânia (CDL), 93% dos consumidores disseram que vão às compras por causa do Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro. E boa parte deles pretende pagar à vista.

O gerente de Negócios da CDL Goiânia, Wanderson Lima, esteve no estúdio do TBC 2 nesta segunda-feira, 5, e conversou com o apresentador Guilherme Rigonato sobre os resultados da pesquisa da entidade e as expectativas dos lojistas da capital. “A data comemorativa é uma oportunidade para o empresário vender mais”, comentou.

Segurança

Segundo ele, a pesquisa constatou que o consumidor vai preferir a loja em que ele se sinta mais seguro, em termos de medidas de proteção conta a Covid-19, para levar os filhos e a família. Por isso, a CDL vem fazendo um trabalho de conscientização junto ao lojista, para que ele possa se adaptar a esse novo momento.

Wanderson falou a respeito da tendência apresentada pelos consumidores entrevistados na pesquisa, de dar prioridade ao pagamento a vista nas compras do Dia das Crianças. “É uma oportunidade para o empresário melhorar seu fluxo de caixa”, avaliou. Já o consumidor, ao adotar esse comportamento, evitará se endividar e terá condições de efetuar novas compras na Black Friday (em novembro) e no Natal.

A pesquisa da CDL constatou que o tíquete médio das vendas do Dia das Crianças em Goiânia deverá ficar entre R$ 50,00 e R$ 100,00, valor considerado “muito bom” pelo gerente da entidade. Conforme ele, 38% dos entrevistados informaram que vão gastar mais do que no ano passado.

Contou ainda que, no início do ano e antes da pandemia, a expectativa do comércio varejista era vender 6% a mais do que em 2019. Agora, em outro cenário, a estimativa é de acréscimo de 3%, o que é considerado um bom resultado. “Esse é o momento dos empresários se conectarem com seus clientes”, defendeu.

O gerente da CDL citou outra pesquisa, a qual constatou aumento nas vendas dos supermercados durante a pandemia em detrimento de outros ramos do comércio varejista, como lojas de eletrodomésticos e de roupas e calçados. Mas agora que todo o comércio reabriu, e foi permitido às crianças frequentar novamente os shoppings, disse que deve ocorrer uma retomada nas vendas de outros setores. Isso porque os pais vão querer dar um mimo para os filhos, depois de eles ficarem tanto tempo em casa. Assim, além das lojas de brinquedos, até mesmo os segmentos de roupas e calçados infantis devem registrar boas vendas.

Confira a entrevista completa:

ABC Digital