UFG vacina gratuitamente cães e gatos contra a raiva

O posto de vacinação é fixo e não precisa de agendamento; médica veterinária disse no TBC2 que o animal a partir de três meses deve ser imunizado contra a raiva, desde que esteja saudável

Parceria entre a Escola de Veterinária da Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Prefeitura de Goiânia disponibiliza, de forma gratuita, a vacinação antirrábica para cães e gatos. O posto é fixo, funciona o ano todo e não precisa de agendamento. Basta levar o animal de estimação a um prédio situado anexo ao Hospital Veterinário da UFG, onde a imunização contra essa zoonose é realizada.

A informação é da médica veterinária e professora da UFG, Kellen de Souza, que concedeu entrevista ao vivo, via Skype, ao telejornal TBC2 nesta terça-feira 02/02. Segundo ela, todos os cães e gatos, a partir dos três meses de idade, devem ser vacinados contra a raiva animal. A única recomendação é que o animal esteja saudável.

Caso o pet esteja passando por algum tratamento com médico veterinário, o tutor deve perguntar a ele se o animal está apto a receber a vacina, orientou Kellen de Souza. Citou ainda que, se a fêmea está gestante ou não, está amamentando ou não, ela pode ser vacinada, desde que esteja saudável.

Processo tranquilo

Ressaltou que animais com idades entre três e seis meses já devem ter recebido a dose da vacinação antirrábica. Conforme ela, o processo de vacinação é “super-rápido, muito tranquilo”, e ocorrem “pouquíssimos” casos de reação adversa ao imunizante. E recomendou fazer a vacinação anualmente contra a raiva.

A médica veterinária afirmou que a raiva é uma zoonose que tem letalidade de quase 100%. “Infelizmente, uma pessoa que foi mordida ou arranhada por um animal acometido da doença, se contrair essa zoonose, tem grande chance de vir a óbito”, acrescentou.

Contou que os principais sinais e sintomas que essa pessoa vai apresentar são: dor de cabeça, febre, vômito, dores articulares, dores musculares e dor de garganta. E isso tudo causado pelo vírus, porque ele atinge o Sistema Nervoso Central. E aí, subsequentemente, a pessoa evoluiu para o coma e a morte.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.