TRE de Goiás garante higienização e segurança aos eleitores que forem às urnas em novembro próximo

Em entrevista ao TBC 1, o diretor Geral do TRE-GO, Wilson Gamboge, disse que a Justiça eleitoral se cercou de todos os cuidados sanitários, para a segurança dos eleitores

O diretor Geral do TRE-GO, Wilson Gamboge, e a apresentadora Henaura Avelar, nos estúdios da TBC

O Tribunal Eleitoral de Goiás (TRE) garante ampla higienização e total segurança aos eleitores que forem às urnas no dia 15 de novembro ou que precisarem votar, onde tiver segundo turno, no dia 29 de novembro deste ano nas eleições municipais. A garantia é do diretor Geral do TRE-GO, Wilson Gamboge, ao ser entrevistado nesta quinta, 27, por Henaura Avelar, no telejornal TBC 1, da TV Brasil Central. Ele informou que no Estado são 13.900 seções eleitorais, demandando o trabalho de mais de 50 mil pessoas para fazer as eleições, visto que cada seção abriga no mínimo quatro mesários. 

O TRE, de acordo com ele, já pensou em tudo com relação a dar segurança ao eleitor para que vote com tranquilidade, em novembro, neste momento de pandemia da Covid-19. “A Justiça eleitoral se cercou de todos os cuidados sanitários, para que haja segurança, tanto dos mesários, que são os nossos principais colaboradores, quanto da população de um modo geral”, afirmou, acrescentando que os mesários estarão paramentados com máscaras cirúrgicas e máscara de acrílico; em todas as seções será disponibilizado o álcool gel e em spray; elas serão redesenhadas com fitas, para que haja um distanciamento de eleitor para eleitor, evitando aproximação e aglomeração para não haver contágio e o eleitor deverá usar máscara e também luva, porque nesta eleição não será exigida a biometria para confirmação do voto.

Horário maior

Além da dispensa da biometria, Gamboge informou que o horário de votação deverá ser estendido em uma hora, faltando ainda o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) definir se das 7h00 às 17h00 ou se das 7h30 às 17h30, para evitar aglomeração e que, também, pela experiência, deverá ser uma eleição com voto mais rápido, porque a escolha decairá só sobre dois nomes, de prefeito e vereador. “Sabemos, por exemplos, que em países onde se realizaram eleições com pandemia a abstenção foi maior. A gente acredita numa abstenção maior, mas não tão grande assim nem tão superior às anteriores”, salientou.

Por serem eleições municipais, disse que está provado que o eleitor tem uma disposição maior para ir votar, mas não deixa de fazer um apelo: “Incentivamos a busca das seções eleitorais porque vamos garantir que este ambiente esteja adequado para receber o eleitor e também para que não haja as chamadas filas, com a adequação de horários e a extensão do período de votação”, observou.

Sobre possíveis desistências de mesários em função de estarem no grupo de risco da pandemia, informou também que o TRE de Goiás não quer que ninguém corra riscos e para isso tem um banco de dados de aproximadamente 90 mil mesários voluntários que poderão ser convocados. Disse ainda que os eleitores que sejam portadores de deficiência podem, a partir desta semana, entrar no site tre-go.jus.br e solicitar a mudanças de local de votação e aí eles serão transferidos, temporariamente, para uma seção acessível.

Sobre a justificativa do voto, para o eleitor que estiver fora do seu domicílio eleitoral, Wilson explicou que ele poderá justificar o voto por um aplicativo de celular, o e-titulo. “Não teremos mais disponíveis as mesas de justificativas, para evitar aglomeração. Pelo georeferenciamento o TRE saberá que ele está fora do seu domicílio”, assinalou, reafirmando o pedido para que o eleitor se proteja também, com máscara e luva. “As cabines de votação serão higienizadas periodicamente e o eleitor terá acesso a álcool para se higienizar na entrada e na saída da seção eleitoral”, concluiu.

Confira a entrevista na íntegra:

ABC Digital