Superintendente diz no TBC 1 que prefeitura liberou mais três atividades em Goiânia: clubes recreativos, cursos livres e escolinhas esportivas

As liberações exigem cumprimento de protocolos e foram feitas levando-se em conta os índices epidemiológicos na capital

O superintendente de Vigilância em Saúde de Goiânia, Yves Mauro Fernandes Ternes, em participação no TBC 1

A Prefeitura de Goiânia, obedecendo a critérios de cuidados com a pandemia da Covid-19, liberou, via decreto, o funcionamento de mais três atividades: os cursos livres, os clubes recreativos e as escolinhas de iniciação esportiva para alunos acima de 12 anos. A informação foi repassada, em entrevista nesta quarta-feira, 16, ao TBC 1, pelo superintendente de Vigilância em Saúde da capital, Yves Mauro Fernandes Ternes, observando que todas elas devem respeitar os procedimentos exigidos de higienização, uso de máscara e distanciamento.

Segundo ele, nos clubes recreativos foram autorizadas atividades que já estavam em funcionamento no ambiente externo, como academias, quadras poliesportivas, bares, lanchonetes e restaurantes. Eles vão funcionar observando as regras vigentes no município e conforme protocolos que já são seguidos, pelas mesmas atividades, fora dos seus ambientes.

“As práticas de atividades esportivas vão exigir o uso de máscaras, com distanciamento de um metro e meio, para condicionamento físico e atividade funcional. Aquelas atividades esportivas que têm contato direto, como futebol e basquete, estão proibidas”, afirmou Ternes, acrescentando que, para os cursos livres profissionalizantes, protocolos específicos também vão ser publicados, mas uma das regras é manter o distanciamento de um metro e meio.

Sobre a liberação de cursos, disse que eles serão para áreas específicas, aquelas que precisam retomar a atividade econômica em um momento em que o desemprego foi muito grande em alguns grupos na capital. “Atividades como padeiro, confeiteiro, pedreiro, áreas onde existe uma grande demanda de trabalhadores especializados vão ser retomadas, para que as pessoas assumam sua atividade econômica e possam ser integradas ao mercado de trabalho”, detalhou.

Disse ainda que as liberações levam em conta os indicadores epidemiológicos observados em Goiânia neste momento. “Está havendo uma diminuição do número de internações pela síndrome associada à Covid, a taxa de ocupação de leitos, tanto de UTI quanto de enfermaria/Covid está em torno de 50%, o número de óbitos tem encontrado uma estabilidade com tendência de redução”, assinalou Yves, observando ainda que esses indicadores em conjunto têm demonstrado que é possível flexibilizar algumas atividades econômicas que não vão impactar diretamente nos indicadores da doença na capital.

Confira a matéria na íntegra:

ABC Digital