Superintendente aponta estabilidade em pedidos de UTI, mas situação ainda é grave

Ao Jornal Brasil Central, Flúvia Amorim disse que o momento segue grave, e  atualiza panorama da Covid em Goiás 

A superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), Flúvia Amorim, afirmou nesta segunda-feira, 29, que o momento da pandemia de coronavírus ainda é grave em Goiás, mas já há uma estabilidade ao menos no número de pedidos de leitos de UTI na rede pública de saúde.

Ela fez a afirmação em entrevista ao Jornal Brasil Central. “Ainda não é possível afirmar que há queda em relação a óbitos; em relação a casos, no geral, há um atraso nas notificações e não é possível ver isso de uma forma muito clara, mas esse indicador [número de pedidos de leitos de UTI] que para nós é sensível, aí sim a gente já vê uma estabilidade”, disse.

Atualizando alguns dados da doença em Goiás, Amorim afirmou que a ocupação de leitos de UTI é de cerca de 95%, o que ainda é muito alto, mas estava em 100% há poucos dias, o que sugere que ao menos “parou de subir”, destaca. A superintendente disse ainda acreditar que o agravamento da situação tenha levado as pessoas a ficarem mais cuidadosas com os protocolos recomendados para evitar a transmissão da doença.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.