Semad trabalha para valorizar a preservação do Cerrado

Titular da Pasta, Andrea Vulcanis, informa que tem um grupo de trabalho dedicado a elaborar políticas nesse sentido, como o caso dos créditos de carbono no bioma

Em busca de soluções para reduzir o desmatamento irregular em Goiás, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) estuda projetos para valorizar áreas de vegetação nativa e ampliar políticas de preservação do Cerrado. A secretária Andréa Vulcanis afirma que existe um grupo de trabalho dedicado ao assunto na Pasta.

"Enquanto commodities como soja, milho, feijão e carne tiverem mais valor do que a floresta em pé, o combate ao desmatamento irregular será desafiador. Mas penso que todos os passos que já demos nos encaminham para redução significativa do desmatamento irregular em Goiás", diz Vulcanis. "Temos um grupo de trabalho dedicado a finalizar um plano de combate ao desmatamento irregular, que vai muito além de ações de fiscalização. A valorização da floresta em pé e da bioeconomia é fundamental para que a gente mude a cultura das pessoas", destaca.

Emissão de licenças

Vulcanis afirma que a gestão ambiental passou por mudanças sensíveis  em anos recentes, em especial no que diz respeito à emissão de licenças. "Nós agilizamos, no âmbito da Secretaria, todas as demandas que o agro precisa resolver para que a atividade econômica se desenvolva. Hoje o nosso prazo médio é de 23 dias [para licenças que deram entrada no sistema Ipê]. Está tudo muito organizado", garante

Em razão do esforço contínuo para melhorar os processos internos da Secretaria de Meio Ambiente, Vulcanis diz que o relacionamento com o agronegócio hoje é pautado pelo respeito."Tomamos o diálogo como regra. Todas as normas e regulamentações são discutidas diretamente com o setor. Houve consenso em muitas pautas, o que nos permitiu estabelecer uma relação muito tranquila e positiva", diz a secretária. "Ainda há desafios, sobretudo na área do desmatamento, mas hoje nós estamos entregando tudo aquilo que é necessário para que a atividade econômica seja sustentável".  

Fonte: Comunicação Setorial da Semad

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.