Fátima Gavioli destaca investimentos do Governo de Goiás na Educação

Recursos aplicados na rede estadual de ensino somam 1,2 bilhão, com reforma de 1.049 escolas, construção de novas unidades, quadras esportivas e aquisição de laboratórios. Montante não inclui a folha salarial da Educação, o transporte escolar e outras despesas

A secretária Estadual da Educação, Fátima Gavioli, aproveitou a sua participação no programa Boa Noite Goiás na quarta-feira, 18, para fazer um amplo balanço dos investimentos e das ações do Governo de Goiás na educação estadual, destacando que de um quadro caótico encontrado em 2019, o governador Ronaldo Caiado conseguiu dar a volta por cima, reordenar e racionalizar as finanças públicas e agora colhe resultados positivos, inclusive podendo anunciar reajuste salarial e bônus aos professores e servidores da educação.

A secretária relatou que até agora já foram investidos R$ 1,2 bilhão na melhoria da estrutura da rede estadual de ensino, com reforma de 1.049 escolas, término da construção de escolas cujas obras estavam paralisadas, aquisição de laboratórios de química, matemática, física, biologia e robótica para a maioria das escolas do ensino médio, aquisição de ônibus escolares, reformas, construção e equipamento de quadras de esporte e em outras áreas. “Esse montante se torna ainda mais significativo quando consideramos que ele não inclui o pagamento da folha salarial do pessoal da educação, nem transporte escolar e outras despesas correntes”, enfatizou Fátima Gavioli.

Outra medida positiva destacada pela titular da Educação se refere à decisão do governador Ronaldo Caiado, de pagar reajuste salarial a partir de outubro, além da concessão de bônus de incentivo a professores e servidores da educação. Pela proposta, os professores P1 e P2 (quadro temporário e contratados) terão reajuste de 4,52% e aqueles das categorias P3 e P4, bem como os administrativos, terão aumento de 7,20%. Além disso, será concedido um bônus mensal de R$ 500,00, uma espécie de incentivo para que os professores busquem maior capacitação para desempenho de suas atividades.

Fátima Gavioli discorreu ainda sobre o apoio do governo estadual aos alunos, com garantia de merenda escolar mesmo no período em que as escolas não tiveram aulas presenciais, doação de materiais escolares como cadernos e livros, doação de uniforme com duas camisetas e uma calça, entrega de tênis e, para os alunos do terceiro do ensino médio, também a doação de chromebooks (notebook que roda o sistema operacional OS do Google).

Retomada e desempenho

Sobre a retomada das aulas presenciais, a secretária disse que todos os cuidados sanitários recomendados pelo Centro de Operações de Emergências (COE), coordenado pela Secretaria Estadual de Saúde, estão sendo cumpridos. As escolas já receberam e estão usando álcool em gel, sabonete líquido, termômetros e equipamentos portáteis de desinfecção de ambientes. Também é exigido o uso de máscaras tanto por alunos quanto por professores e respeito ao distanciamento mínimo. Ela explicou que na retomada, as escolas com até 100 alunos voltaram com 100% dos alunos. Já as escolas de tempo integral, metade dos alunos têm aula de manhã e metade à tarde.

Fátima Gavioli disse ainda que o Estado já avalia ampliar o número de alunos presenciais em breve. “Hoje nós temos 53% do pessoal da Educação vacinados e devemos chegar ao fim de setembro com 100%, menos 451 pessoas que se recusam a receber as doses da vacina, situação que vem sendo tratada com diálogo e conscientização. Isso significa um contingente de 40 mil pessoas. Então é provável que em 60 dias, se tudo correr bem, poderemos ampliar o quantitativo de alunos em sala”, ressaltou. A secretária informou ainda que já estão sendo retomadas as atividades das classes de Educação de Jovens e Adultos (EJA), que precisa ser integralmente presencial, o que tem sido feito com muito cuidado, planejamento e respeito à ciência.

Mesmo com a suspensão das aulas remotas, Fátima Gavioli disse que, como resultado dos elevados investimentos do governo estadual na Educação, há expectativa de avanços nas avaliações do Ideb e do Ensino Médio. “As prospecções dos analistas é que a situação educacional piorou em todo o País. Goiás havia alcançado a melhor nota do ensino médio que foi 4,7. Apesar da pandemia e dos indicadores contrários, eu espero que nosso Estado cresça e possamos alcançar 4,8 na próxima avaliação”, concluiu ela em tom otimista.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.