Reestruturação dos Cras adotou idosos como prioridade e distribuiu 500 mil cestas básicas, afirmou secretária Lúcia Vânia à RBC

Goiás ocupa a sétima posição no ranking nacional no quesito prestação de serviços à população nas unidades dos Cras, conforme dados do Ministério da Cidadania referentes a 2019

Goiás ocupa a sétima colocação nacional no quesito prestação de serviços à população nas unidades dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), com média 3,65, numa escala de zero a cinco. Os dados são do Índice de Desenvolvimento do Cras, da Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério da Cidadania, referentes a 2019.

Em entrevista concedida nesta segunda-feira, 21, ao programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central e RBC FM, a secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Lúcia Vânia, disse que a Pasta está reestruturando os Cras, dentro da reformulação da política de assistência social iniciada em outubro do ano passado.

“Acredito que neste ano de 2020 vamos ter um resultado bem mais efetivo, bem mais próximo daquilo que deseja o governador Ronaldo Caiado”, destacou. A titular da Seds detalhou, na conversa com os apresentadores Juvêncio Alarcon e Rafael Mesquita, as ações que estão sendo realizadas durante o período da pandemia da Covid-19.

Foi realizado plantão em todo o Estado, com comunicação para todos os Cras (Centros de Referência de Assistência Social) e Creas (Centros de Referência Especializada em Assistência Social). Ela explicou que o trabalho na área da assistência social adotou os idosos como prioridade, porque eles fazem parte do grupo de risco da doença.

Cestas básicas

A Seds tem desenvolvido também trabalho especial com os deficientes, e propiciou reforço alimentar a todas as famílias inscritas no Cadastro Único (para Programas Sociais do Governo Federal), informou Lúcia Vânia. Conforme ela, o governador determinou que a Pasta comprasse 500 mil cestas básicas, que foram distribuídas em todos os Cras e Creas do Estado, através da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG).

Outra ação citada foi a implementação de orientações, a distância, sobre como utilizar os recursos do auxílio emergencial do governo federal. Em parceria com o Banco do Brasil, foi concedido aos asilos uma renda de R$ 60,00 por pessoa atendida. “Estamos agora cadastrados no governo federal para receber um ‘per capita’ do auxílio emergencial”, informou. Segundo ela, a Seds “está trabalhando bastante”, tendo como foco principalmente aquelas famílias que estão no grupo de risco.

ABC Digital