Rede Estadual de Hemocentros registra baixos estoques de sangue

Segundo diretora geral Denyse Goulart, foi apurada redução de 40% no número de doadores; circulação de mais doenças simultaneamente faz crescer demanda por transfusões

A situação atual dos estoques da Rede Estadual de Hemocentros do Estado é crítica, de acordo com a diretora geral Denyse Goulart, que concedeu entrevista remota nesta sexta-feira, 21, ao programa O Mundo em sua Casa. Segundo ela, o momento é mais critico inclusive do que igual período do ano passado, quando já havia pandemia da Covid-19. A circulação de mais doenças simultaneamente (Covid, gripe e dengue) agrava a situação dos hospitias e houve aumento no número de solicitações de transfusão de sangue, apontou.

“Por outro lado, nós encontramos um cenário desfavorável, que é o da redução do número de doadores”, avaliou a diretora. De acordo com Denyse Goulart, o Hemocentro enfrenta queda de 40% no número de doadores e de 41% no estoque geral de componentes do sangue. Ela lembrou que janeiro é tradicionalmente um mês de redução do número de doações, pois as pessoas costumam viajar. E embora o Hemocentro tenha se preparado com a realização de campanhas em dezembro, a demanda tem crescido tanto que essas ações não foram suficientes para manter o estoque satisfatório.

Apelo

Denyse Goulart fez um apelo para que a população goiana doe sangue. Garantiu que o Hemocentro oferece estrutura que permite um ambiente seguro para os doadores, com atendimento por meio de agendamento e conforme a capacidade de serviço dos estabelecimentos. Além disso, sua equipe usa equipamento de proteção individual (EPI) completo, o material utilizado é 100% descartável, e é recomendável que as pessoas que estejam doentes não façam a doação. “Quem circula no Hemocentro são pessoas saudáveis em um ambiente seguro”, garantiu.

Acrescentou que são nove unidades no Estado. A doação pode ser agendada pelo site www.agenda.hemocentro.org.br ou pelo telefone 0800 642 0457. O Hemocentro atende de segunda a sexta-feira, das 8 às 18h, sem intervalo para almoço. Aos sábados, em Goiânia, o horário de funcionamento é das 8h até o meio dia. Tem ainda a unidade móvel que circula por Goiânia e toda a Região Metropolitana. “É muito importante que a gente não espere chegar a um colapso”, reforçou.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.