Rádio RBC FM vai mudar de corpo e alma

Estúdio da emissora da Agência Brasil Central (ABC) crescerá sete vezes de tamanho e entrará na era da produção e transmissão digitais

Até o fim do ano, a RBC FM, rádio que compõe o complexo de emissoras da Agência Brasil Central (ABC), vai se transformar completamente. A rádio já iniciou as mudanças pela reforma estrutural do estúdio e ganhará equipamentos que a colocarão na nova era da produção e transmissão digital.

Segundo o gerente da Gerente da Rádio Brasil Central AM e FM, Fernando Losi, só em termos de espaço físico, o novo estúdio crescerá mais de sete vezes o seu tamanho. A área atual tem pouco mais de 4 m² e vai crescer para 32 m². Com isso, diz Losi, as possibilidades de nova e diversificada programação ficam pavimentadas, com a integração de equipes com segurança e conforto.

“Hoje eu não consigo colocar dois locutores, entrevistado e técnicos junto lá com segurança, em função do coronavírus. Mas no novo estúdio poderemos ter os apresentadores, produtores e técnicos e os entrevistados, que poderão, inclusive, ser mais de um por vez”, informa Losi exemplificando com O Mundo Em Sua Casa, principal programa jornalístico da emissora.

Ele também comemora as atualizações tecnológicas que virão na mesa de operações da rádio. Será adquirido um programa que aumentará a capacidade de operação e integração com outras mídias. Segundo ele, o chamado V-Mix Pro permite a conexão de até mil câmeras e a realização de até oito teleconferências paralelas. Tudo com qualidade de captação, edição e distribuição digital.

“Isso significa que poderemos ter várias coisas acontecendo ao mesmo tempo na rádio e essas coisas sendo transmitidas ao vivo também por páginas de redes sociais, por exemplo, tudo ao mesmo tempo”, comenta dizendo que toda a reforma e atualização técnica devem estar prontas para estrear até dezembro.

Sem dar detalhes, Fernando Losi diz ainda que a emissora irmã da RBC FM, a Brasil Central AM, também terá sua vida radicalmente modificada com a chamada migração para FM. É que há um cronograma já estipulado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para as rádios AM do país migrarem seus sinais de transmissão para Frequência Modulada (FM).

Para isso, a ABC precisa investir em novos transmissores e antenas, que devem ser instalados no parque de transmissão que a agência já possui no Morro do Mendanha, na capital. Essa migração já está nos planos da direção da agência, segundo Antônio Leal, assessor especial do governo, mas ainda sem data para ser realizada.

ABC Digital