Procon Goiás retoma atendimento presencial com agendamento

Por causa da pandemia, órgão estadual de defesa do consumidor ficou mais de três meses apenas com atendimento virtual; interessados podem agendar pelos fones 151 na capital, e (62) 3201-7124 na Região Metropolitana e interior

Foto do superintendente do Procon Goiás, Allen Viana, no estúdio do TBC2 com Danuza Azevedo e Guilherme Rigonato

Depois de mais de sete meses sem atendimento presencial devido à pandemia da Covid-19, o Procon Goiás voltou a receber o público na sede do órgão, localizada na Rua 8, Centro, em Goiânia. O atendimento presencial estava suspenso desde o último dia 17 de março. Agora, quem quiser registrar uma queixa na sede do órgão terá de agendar pelo fone 151, para os moradores da capital; e (62) 3201-7124 na Região Metropolitana e interior.

O atendimento é realizado das 8 às 17 h, de segunda a sexta-feira. Para voltar a receber o público, os guichês foram adaptados, visando garantir a segurança e o distanciamento entre o atendente e o consumidor. Foi adotada a aferição de temperatura na entrada e o uso de máscara é obrigatório. O superintendente regional do Procon Goiás, Allen Viana, esteve no estúdio do TBC2 nesta quinta-feira, 5, para falar sobre a atuação do órgão durante a pandemia e detalhar o retorno do atendimento presencial.

Allen disse aos apresentadores Danuza Azevedo e Guilherme Rigonato que, mesmo operando apenas com o atendimento virtual nos últimos meses, por meio da plataforma Procon Web (www.proconweb.ssp.go.gov.br), de janeiro a outubro deste ano foram registradas mais de 260 mil reclamações de denúncias de reclamações de consumidores.

Queixas

No período da pandemia, a partir de março último, os fluxos de queixas no Procon Goiás foram variados, de acordo com o superintendente. No início, em linhas gerais, as reclamações eram relacionadas a cancelamentos de pacotes de viagem, vindo em seguida mensalidades escolares e aulas extracurriculares de inglês, dança e música.

“Mas no todo, nada superou aquilo que já era uma prática comum, que são a telefonia e o fornecimento de energia e água, que continuam mantendo (grande número de queixas); e ainda o dilema de entrega de produtos danificados”, citou.

Ligações indesejadas

Allen informou que é possível bloquear aquelas ligações indesejadas recebidas pelos telefones fixo e celular. Segundo ele, por meio do Procon Web, e informando o seu CPF, a pessoa pode ter até três números de telefones vinculados para não ser perturbada. O Procon comunica a Anatel e, no prazo de até 30 dias, o cadastrado para de receber essas chamadas. Entretanto, lembrou que ligações de cobrança não são bloqueadas, pois são um direito do fornecedor.

O superintendente detalhou as medidas tomadas pelo órgão para garantir a segurança de consumidores e atendentes nessa retomada do atendimento presencial. E destacou a atuação do Procon Goiás na defesa dos direitos dos consumidores goianos.

Confira a entrevista na íntegra:

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.