Procon Goiás fecha o cerco a consignados ilegais

Aposentados e pensionistas mais idosos são geralmente o alvo dos golpistas, que fazem empréstimos e consignados fraudulentos, aproveitando-se da maior fragilidade desse público

Coordenador do Procon Goiás do Núcleo de Atendimento aos Superendividados, Antônio Ribeiro foi entrevistado nesta quinta-feira, 6, no TBC+ e informou que as autoridades de defesa do consumidor do Estado estão em tratativas e diligências para coibir ainda mais a prática abusiva e criminosa de empréstimos feitos indevidamente em nome de aposentados e pensionistas, que são as vítimas preferenciais dos golpistas. Segundo ele, isso ocorre porque são mais vulneráveis, pela idade, um pouco de desconhecimento e também pelo ingrediente da ingenuidade. “Lamentavelmente, são presas e vítimas fáceis e as empresas se aproveitam dessa condição de vulnerabilidade”, afirmou.

Explicou que o golpe do consignado é feito sem autorização, anuência ou conhecimento prévio dos consumidores, “geralmente aposentados e pensionistas do INSS”. A dinâmica passa por um crédito na conta do beneficiário do INSS, sendo que o aposentado ou pensionista só vai detectar o empréstimo bem depois, porque desconhece a origem. “Depois que ele faz uso, recorre à instituição bancária e financeira e ali é orientado para fazer a devolução desse valor. Quando ele o faz, geralmente são servidores que trabalham na instituição, faz para uma conta de terceiro, passa um número de CPF ou um CNPJ para a transferência bancária, é quando esse valor vai para uma outra conta que não é do banco e assim é aplicado o golpe, tanto do consignado indevido, abusivo e criminoso quanto do empréstimo fraudulento”, esclareceu, observando que as empresas que não deixam os aposentados em paz infringem as leis, incluindo o Código de Defesa do Consumidor.

Perguntado, citou os exemplos dos C6 Bank e Banco Pan, que acumulam centenas de reclamações durante o ano e que já existe uma espécie de força-tarefa de autoridades em tratativas e diligências para coibir esse tipo de prática abusiva e criminosa. “O Procon Goiás está atento, monitorando, fazendo um trabalho de inteligência, para que possamos formular ações atendendo as solicitações dos consumidores”, observou.

Explicou que quando houver um procedimento indevido na conta, o consumidor deve procurar o Procon, que vai instaurar um procedimento, para que o valor que foi creditado ao consumidor de forma indevida e fraudulenta seja devolvido. “Se houver o desconto indevido na folha de pagamento do aposentado ou pensionista, sem o conhecimento e a autorização, ele pode recorrer e será restituído do valor que foi descontado indevidamente”, geralmente recebendo em dobro e às vezes até com danos morais. Segundo ele, o índice de resolução de problemas no Procon chega a 99%.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.