Fique de olho: Procon alerta sobre oferta ilegal de vacinas contra a Covid-19

Neste momento, o imunizante não está disponível para oferta por pessoas ou empresas. Todas as vacinas são distribuídas e aplicadas pelo poder público

O superintendente do Procon-Goiás, Allen Viana, alerta a população para a oferta ilegal de vacinas contra a Covid-19, o que caracteriza golpe contra pessoas ingênuas ou desavisadas. “Neste momento, qualquer tentativa de comercialização de vacinas é irregular e não passa de embuste, com o objetivo de lesar as pessoas”, reforçou. Em entrevista ao TBC2 na terça-feira, 19, Viana explicou que nenhum outro ente ou pessoa que não seja o Governo Federal, o Governo Estadual e os municípios, dispõe de doses de vacina contra a Covid. Portanto, todo e qualquer produto ofertado é maquiado ou falso e não vai surtir o efeito que se espera do medicamento.

O superintendente do Procon também alertou as pessoas para outro tipo de golpe decorrente da oferta de vacinas. Segundo ele, na ansiedade por se imunizar logo, as pessoas podem repassar aos contraventores dados bancários que certamente serão utilizados em outras situações. Há informações de que os falsos vendedores de vacina estão fazendo o cadastro dos interessados e organizando filas de espera para recebimento do produto. “Todas as vacinas disponíveis no momento são distribuídas pelo Ministério da Saúde aos Estados e estes aos municípios. E esses entes é que estão coordenando a aplicação”, enfatizou ele.

Apoio do Procon

O superintendente orientou as pessoas que já foram abordados ou as que venham a receber por telefone ou redes sociais qualquer oferta de vacina contra a Covid, não aceitem. Mais do que isso, devem procurar o órgão e fazer a denúncia. Todos os casos serão investigados para adoção das providências legais. Os telefones do Procon em Goiânia é 171. No interior, os interessados podem ligar para (62) 3201-7124.

Allen Viana aproveitou para orientar a população no sentido de que espere pela vacina ofertada pelo poder público. “Goiás vai vacinar a sua população na hora certa, obedecendo o cronograma definido pelo Ministério. A ansiedade pela vacina pode levar a um outro grave problema, que é colocar a vida em risco ao receber um produto ilegal, sem comprovação de eficácia”, alertou. Viana também aconselhou as pessoas a seguirem os protocolos sanitários de distanciamento, uso de máscaras, higienização de mãos e evitar aglomerações.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.