Presidente do Sindiposto comenta novo reajuste dos combustíveis

Para Márcio Andrade, só mudança estrutural na cadeia produtiva e na cobrança de impostos pode mudar o cenário

A Petrobras colocou em vigor nesta sexta-feira, 19, mais um aumento de preços dos combustíveis. A gasolina subiu 10,2% e o diesel, 15,1%. É o quarto reajuste da gasolina e terceiro para o diesel somente neste ano. A estatal justifica os aumentos pelo alinhamento de preços que faz com a cotação do petróleo no mercado internacional. A desvalorização do real frente ao dólar também pesa nesse cálculo de reajuste dos combustíveis.

Para comentar o assunto, o radiojornal O Mundo Em Sua Casa ouviu o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto), Márcio Martins de Castro Andrade. Segundo ele, os aumentos sucessivos atingem também os revendedores e a situação só terá solução com mudanças estruturais na cadeia produtiva, aumentando a concorrência na produção e distribuição, bem como na política de impostos sobre os combustíveis.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.