Pessoas reunidas para recreação sem distanciamento ou máscara, essa é a aglomeração que passa a ser fiscalizada em Goiânia

Em entrevista à RBC, o diretor da Vigilância Sanitária da capital, Dagoberto Costa, explicou o novo decreto baixado pela Prefeitura sobre aglomeração de pessoas

Pessoas reunidas por um motivo de recreação, em número de dez ou mais, que não estão tomando os devidos cuidados de proteção para com a transmissão da Covid-19, como o distanciamento social e o uso de máscara facial. Esse é o conceito para identificar aglomeração do novo decreto publicado pela Prefeitura de Goiânia.

A explicação é do diretor de Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde da capital, Dagoberto Costa, que concedeu entrevista nesta terça-feira, 15, ao programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central AM e FM. O radiojornal foi apresentado por Ernesto Fleury e Luzeni Gomes.

Segundo Dagoberto, têm sido verificadas aglomerações desse tipo em frente de bares e distribuidoras (de bebidas) em Goiânia. Nesses locais, equipes da Vigilância Municipal farão a abordagem das pessoas, solicitando que voltem a adotar o distanciamento e o uso de máscaras.

Lotéricas

Questionado sobre as filas formadas em frente a agências lotéricas e bancos, o diretor lembrou que a responsabilidade também é do estabelecimento, no que diz respeito a distanciamento e máscara. Assim como é necessária a conscientização das pessoas, salientou. Disse ainda que bares e academias de ginástica têm protocolos rígidos de segurança sanitária que devem ser cumpridos.

A fiscalização verifica o cumprimento desses protocolos nesses estabelecimentos e, caso seja encontrada alguma irregularidade, eles estão sujeitos a uma autuação de R$ 1.600,00, podendo chegar até à interdição, alertou.

Interdições

Informou que a fiscalização tem realizado várias interdições no período da noite, em estabelecimentos que insistem em descumprir os protocolos sanitários. Conforme Dagoberto, de acordo com nova portaria da Prefeitura de Goiânia, foi ampliado o período de fechamento daqueles que desobedecem aos protocolos da Covid-19.

Hoje, destacou, esse estabelecimento vai ser fechado no momento (da fiscalização), terá de apresentar defesa que será analisada. E pode ficar fechado de 10 a 15 dias, além da multa.

ABC Digital