Outubro Rosa alerta para fake news no combate ao câncer de mama

Mastologista do Hospital Araújo Jorge destaca a importância das boas fontes de informação para que o tratamento da doença seja feito da melhor maneira possível

O Outubro Rosa, campanha contra o câncer de mama, adotou este ano o tema “Conectados pela Informação de Qualidade”. A Associação de Combate ao Câncer em Goiás (ACCG) estruturou sua campanha destacando a importância das boas fontes de informação, e os perigos das fake news, na luta contra a doença.

Em entrevista ao programa O Mundo em sua Casa, concedida nesta quinta-feira, 1º de outubro, o mastologista da Hospital de Câncer Araújo Jorge, Rubens José Pereira, afirmou que a Internet é um campo amplo que fornece várias informações, na maioria das vezes incorretas. “E isso, com certeza, prejudica. É importante que a paciente procure um canal seguro, para evitar as fake news, para ter uma informação mais correta e seguir seu tratamento da melhor maneira difícil”, ressaltou.

Prevenção

Rubens disse aos apresentadores Juvêncio Alarcon e Rafael Mesquita que a prevenção do câncer de mama é baseada na informação. Defendeu que é preciso informar as mulheres sobre o grande perigo que é a doença, causadora de cerca de 18 mil óbitos por ano, com mais de 66 mil novos casos anuais. Até 2022, a projeção é do surgimento de mais 220 mil novos casos. E a mamografia é a principal estratégia de que se dispõe, porque consegue detectar a doença um ou dois anos antes, antecipando o diagnóstico.

O exame de mamografia traz grandes benefícios, explicou o mastologista, pois aumentaria muito a taxa de cura desses pacientes; e diminuiria o tempo de internação, as mutilações e a toxicidade da quimioterapia, assim como os custos. “A mamografia faria isso, a gente tentar diagnosticar o mais breve possível, antecipando esse diagnóstico, o que elevaria a taxa de cura desses pacientes em mais de 90%”, relatou.

Entretanto, segundo ele, o que ocorre no Brasil – e em Goiás não foge à regra – é que na grande maioria das vezes os casos são detectados em fases mais avançadas. Somente 24% dos casos são identificados no estágio inicial. “Então, o Outubro Rosa, com essas orientações, juntamente com a mamografia, tenta reverter essa situação”.

Pandemia

Indagado sobre os reflexos da pandemia da Covid-19, o médico do Hospital Araújo Jorge informou que, no mês de março último, foi registrado o cancelamento de mais ou menos 30% das consultas e dos procedimentos médicos. Mas através de medidas e ações encampadas pela ACCG, essa situação foi logo revertida.

”O que a gente coloca é que o câncer não fica de quarentena”, ressaltou. Esses casos que estão sendo identificados agora, e a paciente não marca consulta ou deixa de fazer os procedimentos, vão emergir lá na frente em estágio bem mais avançado, alertou. Vão sobrecarregar as unidades hospitalares, os insumos médicos e os profissionais de saúde.

ABC Digital