No TBC 2, Rodney Miranda atribui a queda dos índices de criminalidade, mesmo na pandemia, ao trabalho de excelência das equipes de segurança

Secretário de Segurança Pública destacou que as reduções verificadas este ano ocorreram sobre números que também caíram em 2019, na comparação com o período anterior

Os apresentadores Danuza Azevedo e Guilherme Rigonato, com o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, nos estúdios da TBC

Durante a pandemia, nos meses de março a junho, os índices de criminalidade registraram queda em Goiás, na comparação com igual período de 2019, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-GO). Em entrevista ao TBC 2, na noite desta quarta-feira, 16, o secretário Rodney Miranda, atribuiu o resultado ao trabalho de excelência realizado pelas equipes de segurança goianas. Ele concedeu entrevista, via Skype, aos apresentadores Danuza Azevedo e Guilherme Rigonato.

Segundo o secretário, somente seis Estados da Federação conseguiram reduzir a taxa de homicídios no primeiro semestre deste ano, sobre igual período de 2019. E Goiás está incluído neste grupo, ao registrar queda de 15,52%. Acrescentou, que no ano passado, já havia sido registrado recuo de 20% no número de homicídios no Estado.

Destaques

Rodney citou alguns destaques no combate à criminalidade: não houve nenhum caso do chamado Novo Cangaço em Goiás desde 2019, e faz 15 meses que não tem registro de nenhum estouro de caixa eletrônico e roubo a banco em território goiano. Os roubos de veículos, que antes de 2019, em um final de semana chegaram a ter notificados 50, 60 e até 70 casos, foram reduzidos para média três a cinco por dia, sendo que em vários dias se tem zero de roubo de veículo.

Ele salientou o esforço de integração das equipes de segurança goiana, a estratégia e sua capacidade de trabalho, que contam com o apoio do governador. Sobre a pandemia, disse: “nós não reduzimos, em nenhum milímetro o combate à criminalidade no Estado de Goiás”, a despeito do avanço da Covid-19. 

Lembrou que o pessoal da Segurança Pública foi vacinado contra a gripe e H1N1 junto com os servidores da Saúde, e recebeu seus Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Lamentou o grande número de contaminados pela Covid-19 nas forças policiais, fato que preocupa. E disse que as perdas para a doença são irreparáveis. Mas afirmou que, comparados a outros Estados, esses números são bem menores, porque foram tomados todos os cuidados com antecedência.

Confira a entrevista completa:

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnologicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.