Não se combate pandemia com abertura de leitos, alerta superintendente da Saúde

Em entrevista ao TBC2, Sandro Rodrigues reafirmou que a abertura de leitos é limitada e que a redução da contaminação só acontece mesmo com a adoção das medidas sanitárias de prevenção

Em entrevista ao TBC 2, via Skype, nesta terça-feira, 9, o superintendente de Atenção Integral à Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), Sandro Rodrigues, ressaltou que não se combate pandemia com a abertura de leitos hospitalares, pois essa medida, em si só, é limitada.

Segundo ele, a redução da contaminação por Covid-19 somente é possível por meio da adoção das medidas sanitárias colocadas, como evitar aglomeração, lavar as águas com água e sabão, e utilizar álcool em gel conforme a necessidade. “Nós temos de compreender que, se não nos unirmos como sociedade (nesse sentido), podemos ter uma situação complexa no Estado nas próximas semanas”, alertou.

O superintendente lembrou que outros Estados estão com situações próximas a de Goiás, então não existe a possiblidade de transferir pacientes goianos de Covid para outras Unidades da Federação. Ele comentou ainda o fato da ocupação de leitos de UTI em Goiás, em alguns momentos, superar 100%, o que é uma preocupação para as autoridades de saúde. Conforme Sandro Rodrigues, a rede de Covid de Goiás foi trabalhada à parte da rede (de assistência médica) que já existia, para não ter esse risco.

Aumento exponencial

Porém, com o aumento exponencial e expressivo do número de casos de Covid, acabou sendo necessário utilizar parte dos leitos que são destinados a pacientes com outros problemas de saúde. Isso tem ocorrido no Hugo, no Hugol e no CRER, relatou. “Então, essa é uma questão importante, e a gente precisa estar sempre atento a essas questões, antes de nossas atitudes e nossos comportamentos”, comentou.

Ele acrescentou que ainda existe a possibilidade de abertura de alguns leitos, mas em pequena quantidade. “Não são tantos leitos assim para a população ficar despreocupada, e não seguir as medidas sanitárias que foram intensamente noticiadas e precisam ser seguidas”, avisou.

ABC Digital
 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.