Médico intensivista diz que Maguito está no melhor hospital do Brasil

Marcelo Lagreca explicou como funciona o aparelho ECMO, usado por Maguito agora, que tem uma membrana responsável por reoxigenar o sangue do paciente com os pulmões comprometidos

Entrevistado hoje, 19/11, no TBC 1, sobre a condição de saúde do candidato a prefeito de Goiânia Maguito Vilela, o médico intensivista Marcelo Lagreca, que trabalha no hospital de Urgências de Anápolis (Huana), disse que ele está sendo cuidado no melhor hospital nacional, o Albert Einstein, que é referência na ciência médica. Sobre a introdução do ECMO, que é um aparelho com uma membrana de oxigenação do sangue, informou que é um recurso não disponível em muitos hospitais, precisa de uma equipe muito bem treinada para sua operação e que só é usado quando os pulmões não conseguem filtrar e reoxigenar o sangue.

“A pneumonia viral provoca um comprometimento pulmonar muito severo e isso faz com que o paciente tenha um grau de oxigenação muito diminuído. Bem mais comum acontecer isso no vírus que na bactéria. Quando chega a um ponto que o médico indica a ventilação mecânica para um paciente que não consegue melhorar simplesmente com o oxigênio suplementar, pelo grau de comprometimento do pulmão, coloca-se em ventilação mecânica, faz os ajustes necessários e aguarda a resposta do paciente”, assinalou Marcelo Lagreca.

Reoxigenação

Disse ainda que se o médico percebe que a resposta não está sendo adequada para diminuir a quantidade de gás carbônico acumulado no corpo, “é necessário ultrapassar um limite de pressão, preciso agredir mais esse pulmão, o que em termos práticos indica que é preciso usar essa oxigenação extracorpórea”. Afirmou que ela é feita passando dois cateteres e aí define em qual vai mexer mais, se o da artéria venosa ou se venovenosa. “A rigor, o sangue sai do corpo, como se fosse numa máquina de hemodiálise, entra nesse cano, vai até uma máquina onde tem uma membrana de oxigenação (ECMO), onde é feita uma troca: o sangue venoso é enriquecido de oxigênio e devolve pro organismo ele oxigenado. Ou seja, isso é usado para substituir o pulmão, quando ele não consegue fazer essa oxigenação do sangue”, salientou.

Observou que esse tipo de tratamento é indicado quando o grau de comprometimento pulmonar é muito severo e é usado até que o pulmão volte a funcionar. Disse também que não há um limite de tempo para isso. “O pulmão está sendo usado, só que ele não está sendo submetido a pressões altas e a ECMO entra como um acessório na capacidade de oxigenação e retirada de gás, para controlar o Ph do sangue. O tempo é o  necessário para o pulmão começar a reagir, o tempo que o pulmão precisar para que ele retorne à sua função mínima, para que ele possa voltar a ficar somente em ventilação mecânica e depois conseguir ficar na ventilação mecânica com pressões mais baixas, e assim segue até ser retirado da ventilação”.

Informou também que esse tempo vai depender das complicações que forem aparecendo. “A gente torce para que não aconteça e que corra tudo bem com nosso querido político Maguito Vilela”. Marcelo confirmou que Maguito está sendo tratado num hospital de referência, que tem “uma função social de nortear as diretrizes e as ações dos hospitais de todo o país”. Assinalou que o Einstein entra em parceria com o Ministério da Saúde para treinamento de equipe e agradeceu muito os ensinamentos que o Einstein tem passado inclusive para as equipes onde trabalha. Na opinião dele, Maguito está no melhor hospital nacional. Com relação a Goiás, informou ainda que em alguns hospitais existem a ECMO, que é um aparelho também oferecido aos hospitais por empresas particulares. “Onde eu trabalho não tem ECMO, não existe na rede pública em Goiás”, salientou.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnologicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.