Médica ensina a identificar sintomas do coronavírus no TBC 1

Infectologista Lorena Diniz dá dicas de como perceber se o mal estar deriva de uma doença alérgica, uma gripe comum ou do novo vírus

A apresentadora Eva Taucci e a médica imunologista Lorena Diniz, nos estúdios da TBC

Como os principais sintomas do novo coronavírus são parecidos com os de uma gripe comum, as pessoas acabam ficando apreensivas se estão ou não contaminadas aos primeiros sinais das viroses gripais. Para esclarecer essas diferenças, a médica imunologista Lorena Diniz conversou nesta terça-feira, 7, com a apresentadora Eva Taucci no TBC 1, telejornal da TV Brasil Central que vai ao ar diariamente ao meio dia.

Na entrevista, Lorena chamou a atenção para a intensidade dos sintomas como um diferencial para o paciente entender o que pode estar se passando com ele. “De fato, os sintomas são parecidos, mas dá para a pessoa perceber se a falta de ar é derivada do nariz entupido ou se é mais profunda; a secreção também, que numa pessoa alérgica é mais densa do que numa gripe, que é mais aquosa”, disse a médica citando pessoas que tem doenças alérgicas, como rinite ou asma.

Respondendo a perguntas enviadas pelos telespectadores, a médica, que atua no Hospital Materno Infantil, falou dos riscos para bebês e pessoas que fumam. Dos primeiros, ela observou que, apesar de as crianças não serem consideradas no grupo de risco, é preciso cuidados especiais porque as crianças, especialmente as de até 5 anos, estão em fase de formação do sistema imunológico, o que pode representar perigos nesse momento de um vírus que é novo e para o qual ainda não há vacina.

Dos fumantes, ela foi direto ao ponto. “Fazem parte do grupo de risco e com o agravante de, certamente, não terem um pulmão íntegro, já que ingerem cerca de quatro mil produtos tóxicos num único cigarro”, afirmou. Ao final, Lorena Diniz reforçou os cuidados de reclusão nesse período, sugeriu arejamento nos ambientes para quem está em casa e cuidar bem também da alimentação, para melhorar a imunidade do organismo.

A entrevista completa pode ser vista abaixo:

ABC Digital