Fiscalização no Vale do Araguaia já totaliza 50 autos de infração e R$ 500 mil em multas

Superintendente da Semad disse à RBC que o balanço inclui ilícitos ambientais e desrespeito ao decreto que proíbe aglomeração e eventos ao longo do rio, para combater a disseminação da Covid-19

A temporada do Araguaia 2020 foi oficialmente cancelada para evitar a expansão da pandemia da Covid-19 em Goiás. Decreto assinado pelo governador Ronaldo Caiado no último dia 10 de junho proibiu a instalação de acampamentos, e eventos como shows musicais, festas, caminhadas ecológicas, passeios ciclísticos, corridas e espetáculos. 

Desde o último dia 1º de julho, a força tarefa da Operação Evangelista realiza um conjunto de ações nas regiões turísticas do Araguaia, combatendo a mobilização de acampamentos e estruturas, que podem ser multados. Até o momento, incluindo as questões de ilícitos ambientais, já foram lavrados na região 50 autos de infração, totalizando R$ 500 mil reais em multas.

A informação é do superintendente de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Robson Dizarz. Ele detalhou os resultados parciais da Operação durante entrevista concedida nesta sexta-feira, 24, ao programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central AM e RBC FM. O radiojornal foi apresentado por Jerônimo Venâncio e Rafael Mesquita.

Pontos específicos

Segundo Robson, a Operação Evangelista está sendo realizada pelo Governo do Estado, coordenada pela Goiás Turismo, abrangendo a Semad e o Batalhão Ambiental da Polícia Militar, com o apoio do Corpo de Bombeiros. A fiscalização está no Vale do Araguaia desde o último dia 1º em três pontos específicos, autuando quem desrespeita o Decreto nº 9674.

Ele lembrou que, em junho último, foi realizado na região trabalho de conscientização junto aos acampamentos que já estavam montados nas praias e às pessoas que insistiam em permanecer, que foram para a beira do rio. “Agora, no mês de julho, a gente está procedendo com as autuações”, completou. 

As multas aplicadas para quem está com aglomeração e estrutura de acampamento variam de R$ 1 mil a R$ 2 mil por pessoa. Também é multado quem está fornecendo estrutura de apoio aos turistas, como bares e banheiros, assim como acampamentos. São verificados ainda possíveis crimes ambientais, como pesca predatória e caça. Tudo está sendo checado pelas equipes de fiscalização, garantiu.

Movimentação atípica

Conforme Robson Dizars, a movimentação no Araguaia está bem atípica este ano, pois grande parcela da sociedade entendeu a necessidade de não ir para a região, embora seja uma tradição do povo goiano. Mas infelizmente ocorrem algumas questões pontuais que exigem as medidas necessárias.

Indagado sobre o que é considerada aglomeração de pessoas pela fiscalização, o superintendente da Semad disse que as equipes estão checando se as pessoas são da mesma família e estão portando o teste da Covid-19. Nesse caso, não é considerada aglomeração. Acima disso, eles fazem a autuação.

ABC Digital