Fiscalização na região do Rio Araguaia notifica responsáveis por 25 acampamentos

Superintendente de Proteção Ambiental da Semads, Robson Dizarz, diz à RBC que as estruturas devem ser desmontadas; ação educativa dos fiscais continua até a próxima semana

Uma força-tarefa do Governo do Estado atua na região do Rio Araguaia para conscientizar sobre o decreto que proíbe a aglomeração de pessoas para evitar a propagação da Covid-19. Acampamentos montados ao longo do rio são notificados para que procedam à desmobilização de todas as estruturas temporárias. Os responsáveis por 25 acampamentos já foram notificados e devem promover a desmobilização das estruturas para evitar punição, que inclui multa.

O superintendente de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semads), Robson Dizarz, concedeu entrevista nesta terça-feira, 23, ao programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central AM e RBC FM para falar sobre as medidas legais e ações das equipes de fiscalização. Esta edição do radiojornal foi apresentada por Jerônimo Venâncio e Rafael Mesquita.

Robson lembrou que entrará em vigor, no próximo dia 1º de julho, decreto governamental que proíbe a realização de quaisquer atividades que impliquem em aglomeração de pessoas para lazer e turismo na região do Araguaia e seus afluentes. Enquanto isso, o trabalho da força-tarefa será de conscientização. Mas a partir desta data, as equipes de fiscalização estarão em campo para “proceder com os autos de infração para quem não cumprir o que está sendo orientado neste momento, que se iniciou na semana passada e se estende até a próxima semana”, afirmou;

Força-tarefa

A força-tarefa é composta por integrantes da Semads, Batalhão Ambiental e Corpo de Bombeiros, além da participação de órgãos federais. O superintendente lembrou que o decreto governamental estabelece uma série de autos de infração, inclusive com valores (de multas) elevados, dependendo da situação que for detectada. Prevê também a penalização para quem for responsável pelos acampamentos, produzir shows e outros tipos de aglomeração de pessoas ao longo do Rio Araguaia e seus afluentes.

Acrescentou que a Polícia Militar também está realizando o trabalho de barreira sanitária na entrada das principais cidades turísticas do Araguaia e colaborando no patrulhamento do rio, para que sejam evitadas, de fato, aglomerações na região. Em relação a esses municípios, informou que a titular da Semads, Andréa Vulcanis, tem estabelecido um diálogo com os prefeitos e diversos deles estão apoiando este processo, fato que considera “muito importante”. 

Conforme Robson Dizarz, foi identificado que a sociedade está consciente, pois há um número reduzido de acampamentos (montados) e isso fortalece o Governo do Estado no combate à pandemia da Covid-19. Ele pediu que o restante das pessoas não tenha a intenção de ir para o Araguaia, não vá e não faça aglomeração (naquela região). “A gente sabe que é uma rotina do goiano ir ao Rio Araguaia nesta época do ano, mas infelizmente este ano tem que se diferenciar”, ponderou.

ABC Digital