Escolas estaduais vão se preparar para a retomada das aulas presenciais em setembro, diz Fátima Gavioli

Em entrevista à RBC, a secretária de Estado da Educação adiantou que no dia 15 de agosto o COE fará nova avaliação para o setor; enquanto isso as escolas vão se adequando para receber os alunos

A previsão para o retorno das aulas presenciais em Goiás foi revisada de agosto para setembro, seguindo recomendação do Centro de Operações em Emergência em Saúde Pública (COE) da Secretaria de Estado da Saúde (SES). A secretária de Estado da Educação, Fátima Gavioli, explicou que a Pasta entregou o protocolo do setor para a Saúde no dia 15 de julho último. Mas depois de uma análise do COE e diante da ascensão na curva de contaminação da Covid-19 em Goiás, foi recomendado que a educação só voltasse em setembro.

“Isso quer dizer que vamos permanecer no mês de agosto com as aulas remotas, e no dia 15 de agosto teremos nova reunião com o COE”, afirmou Fátima. Dependendo da evolução da curva de contaminação da doença, será liberada a retomada das aulas presenciais em setembro, mas com as escolas adotando alguns cuidados sugeridos pela equipe de médicos e cientistas. O assunto foi abordado pela secretária nesta quinta-feira, 23, durante o programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central AM e RBC FM.

Cuidados

Na entrevista concedida aos apresentadores Emmerson Kran e Gil Bomfim, Fátima Gavioli informou que, na reunião com o COE marcada para o próximo dia 15 de agosto, será feita a apresentação e a análise do comportamento da pandemia no Estado, na última semana de julho e nas duas primeiras semanas de agosto. A partir daí, as aulas presenciais poderão ser liberadas, mas com a adoção de alguns cuidados.

Segundo ela, o governo federal liberou recursos para as escolas comprarem produtos de higienização. Já o Governo do Estado, repassou verba do Pro Escola, com publicação de portaria, dizendo quais produtos os estabelecimentos escolares podem adquirir. A Seduc vai abrir processo de compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para professores, de máscaras para os alunos e de tapetes de desinfecção, informou.

“Acredito que este prazo é providencial, agora em agosto a gente vai alinhando as atividades com os alunos; e em setembro nós poderemos retomar (as aulas presenciais), de acordo com o COE, tomando todos esses cuidados e pedindo a Deus para irmos caminhando para o final desta pandemia”, declarou.

Ano letivo

Indagada se o ano letivo de 2020 será considerado válido, a secretária da Educação respondeu positivamente, caso seja possível avaliar os alunos e lançar as notas bimestrais. “Se o ano for válido, não há porque falar em reposição (de aulas). Se não for válido, aí o Conselho Estadual de Educação vai emitir resolução dando os encaminhamentos e dizendo o que deve ser feito, em que momento essas aulas serão repostas, etc”, argumentou. 

Entretanto, ela disse que a rede estadual de ensino vai conseguir fazer as avaliações diagnósticas e lançar as notas bimestrais dos alunos. “Ao final do ano, se Deus quiser, isso vai ter dado certo”, concluiu.

Entrevista no TBC 1

Além da participação nas rádios Brasil Central e RBC FM, a secretária de Estado da Educação, Fátima Gavioli, também falou sobre o tema no telejornal TBC 1, da TV Brasil Central. Confira a íntegra da entrevista:

ABC Digital