Escolas estaduais vão retomar aulas presenciais para até 30% dos alunos nesta segunda, 25

Em entrevista ao TBC2, a superintendente da Seduc explicou que a prioridade será para aqueles alunos que não tiveram acesso às aulas virtuais em 2020; mas cada escola vai elaborar seu plano de retorno de acordo com sua realidade

O ano letivo 2021 da rede estadual de ensino começou nesta segunda-feira, 18. Mas nesta primeira semana não teve aula presencial, somente remota, foi o momento de acolhimento dos estudantes. A partir da próxima segunda-feira, 25, vai acontecer o retorno às aulas de até 30% dos alunos presencialmente, conforme foi autorizado pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde (COE).

Em entrevista ao TBC2, a superintendente de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Gisella Faria, afirmou que vão retornar às aulas presenciais prioritariamente aqueles alunos que não tiveram acesso ao material (pedagógico) virtual no ano passado. Mas esclareceu que cada escola vai elaborar seu plano de retorno, de acordo com suas possibilidades.

De acordo com a superintendente da Seduc, primeiro os estabelecimentos escolares vão se organizar, consultar a comunidade escolar, elaborar um estudo epidemiológico (dos casos de Covid-19) em sua região e verificar a situação de seu quadro de servidores (professores e servidores do grupo de risco não vão retornar ao trabalho). “Cabe à escola se organizar e olhar para sua realidade”, destacou.

Gisella afirmou que. os alunos que tiveram acesso às aulas virtuais, e conseguiram aprender mediante sua as possibilidades, esses vão permanecer no ensino não presencial. Mas existem casos de alunos que não tiveram acesso às aulas on line, seja porque não tinham celular ou computador, ou então não dispunham de uma boa internert em casa para poder ter acesso a essas aulas. Esses estudantes vão voltar à sala de aula, esclareceu.

Com a adoção desse critério, disse que a Seduc está contribuindo para reduzir as desigualdades. “A pandemia fez com que acontecesse um grau de desigualdade muito grande no sistema educacional também”, destacou.

Rotina de estudo

Questionada sobre como possibilitar a aprendizagem do estudante a distância, em casa, apontou que a primeira coisa é criar uma rotina de estudo no ambiente doméstico. Tendo essa rotina, a Seduc faz com que atividades pedagógicas cheguem a esse aluno, disse. “Nós temos o portal Net Escola, temos as aulas que são transmitidas ao vivo aqui da TV Brasil Central e mandamos as atividades impressas”, citou.

A superintendente orientou o pai a estabelecer uma rotina de estudo para o filho, definindo hora de assistir a aula na TV e hora de pegar o exercício. Isso porque o processo é bem articulado: a atividade (pedagógica) que vai para a casa deve ser realizada com base naquela aula que o estudante está assistindo, complementou.

Afirmou ainda que, caso o aluno tenha dúvida, basta encaminhá-la para o professor pelo celular, via whatsapp. Nesse processo todo, o pai não precisa saber do conteúdo, ele precisa se organizar para que o estudante tenha acesso, principalmente os estudantes menores, que ainda não sabem criar uma rotina de estudo.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.