Em live, governador diz que já está praticamente formatado o novo decreto que vigorará a partir do dia 4 de abril

Caiado falou que ele e seus auxiliares já estão conversando com a sociedade organizada para fazer o novo decreto e criticou os corajosos de WhatsApp, que o têm criticado nas redes sociais

Governador Ronaldo Caiado, em live transmitida pelos veículos da ABC

Em live hoje direto do Palácio das Esmeraldas aos veículos da Agência Brasil Central (ABC), com o radialista Jânio Rodrigues, o governador Ronaldo Caiado disse que já estão praticamente prontos os pontos do novo decreto que assinará, para valer a partir do próximo dia 4, com as novas regras a serem seguidas pela sociedade para continuar evitando a brusca proliferação do novo coronavírus (Covid-19). “Com prudência, construímos essa quarentena. Tenho prazo e estou ouvindo, meus secretários estão conversando com os representantes da nossa sociedade organizada para definirmos e colocarmos os pontos no decreto”, afirmou o governador.

Observou, no entanto, o que disse ontem do ministro Luiz Henrique Mandetta, de que o momento de pico ocorrerá nos próximos dias e que não se pode relaxar agora. Caiado voltou a frisar que é preciso agir com prudência, calma e observando os dados da progressão da doença em Goiás, para que lá na frente a capacidade de atendimento dos hospitais goianos não seja colapsada. Ele agradeceu o governo federal pela parceria e se disse satisfeito com a mudança de postura do presidente da República, Jair Bolsonaro, na fala de ontem à noite, conclamando vereadores, prefeitos e a sociedade em geral a ajudar nessa luta contra o novo coronavírus.

Patamar 1

Segundo ele, “graças a Deus ainda estamos no patamar um, que vai de um a 100 casos de infectados no Estado” e informou que não tem descansado, tomando providência para viabilizar mais hospitais de campanha para Goiás, especialmente na região do Entorno do DF, a mais carente e com uma população de 1,2 milhão de pessoas. Por isso mesmo, voltou a pedir que os goianos evitem ir a Brasília nesse período, a não ser em caso de extrema necessidade, porque lá a contaminação é alta e tem se propagado rapidamente.

O governador voltou a dizer que não vai politizar essa batalha que tem travado para enfrentar em Goiás a pandemia do novo Coronavírus. “Não vou cair em provocação, tenho pedido aos meus familiares para não entrarem nisso, porque não é um Fla x Flu, com torcidas brigando. Minha luta é para salvar vidas”, afirmou, acrescentando que tem boa relação com o governo federal, fala todos os dias com vários ministros e pode divergir do presidente da República nessa área da saúde, porque é sua militância e para a qual estudou. “Posso divergir no que eu entendo, por isso nessa questão estou em condições de aconselhar o presidente da República”, salientou.

Corajosos de WhatsApp

Ele aproveitou para fazer um relato de suas lutas de muito tempo na política, observando que enfrentou, na década de 1980, a esquerda brava do país e do mundo, “quando a esquerda era muito forte” e que, por ter a consciência tranquila e foco na luta para salvar vidas, fazendo o que é correto, tem couro grosso para enfrentar os que denominou de “corajosos de WhatsApp” e que, “na hora H, a maioria amarela”. Disse ainda que tem pedido aos seus familiares para não entrarem nesse jogo de baixaria e fake news.

Voltou a agradecer todos os que estão ajudando com as campanhas de solidariedades encampadas por seu governo e pela Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), doando cestas básicas e dinheiro para ajudar as famílias goianas mais carentes nesse momento de crise. Agradeceu também a imprensa que vem fazendo um trabalho muito bom na cobertura e se mostrou preocupado com a grande quantidade do pessoal da área médica que tem se infectado com o novo coronavírus.

A live está disponível na íntegra na página da RBC FM no Facebook.

ABC Digital