Economista explica a composição do preço da gasolina

Aurélio Troncoso disse em entrevista que, além da cotação do petróleo no mercado mundial, pesam a carga tributária e o custo do acréscimo do álcool anidro

O que faz a gasolina ser tão cara? Essa é a pergunta que o consumidor goianiense tem feito toda vez que vai ao posto de combustível abastecer o tanque do seu carro, principalmente diante de tantos reajustes seguidos anunciados pela Petrobrás este ano.

Para falar sobre a composição dos preços do combustível, o economista Aurélio Trancoso concedeu entrevista nesta quarta-feira,18, ao programa O Mundo em sua Casa. Ele lembrou que o aumento da cotação do petróleo está relacionado ao mercado mundial, e no momento há um dólar apreciado (valorizado) e um preço do barril do produto caro. “Como a gente importa petróleo leve para poder refinar, ele praticamente fica mais caro toda a semana”, ponderou.

Lucro dos postos

Sobre a composição do preço da gasolina, ele explicou da seguinte forma: o litro hoje sai da refinaria a R$ 2,30, no caso se referiu à gasolina pura. Adicionando o álcool anidro, ela vai para R$ 2,54 o litro. Com o transporte e o preço da distribuidora, vai para R$ 2,95. A média de lucro dos postos é de 20%, e após ele ser acrescido, o custo vai para R$ 3,36.

E Aurélio Troncoso seguiu sua explanação. Acrescentando 15% de PIS, Cofis e Cide (tributos federais), o litro da gasolina sobe para R$ 4,74. E colocando o ICMS (imposto estadual), que incide depois de todo o preço feito, o litro da gasolina sobe para 6,25.

“Então nós temos 32% de ICMS, além de 15% de Cide, Confis e PIS que incidem sobre o produto”, disse. Ressaltou ainda que o álcool anidro, quando é acrescido à gasolina pura, a torna mais cara. Se fosse a gasolina pura, seria possível tirar tiraria 30 a 40 centavos de diferença, afirmou o economista.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.