Diagnóstico precoce e tratamento garantem o controle da Esclerose Múltipla

Doença atinge 15 pessoas a cada 100 mil no Brasil e costuma afetar pessoas mais jovens, sobretudo mulheres; neurologista falou sobre o assunto no programa O Mundo em sua Casa

No dia 30 de maio, próximo domingo, será comemorado o Dia Mundial da Esclerose Múltipla, doença crônica e autoimune que afeta o sistema nervoso central, causando lesões no cérebro e na medula espinhal. A esclerose múltipla atinge 15 pessoas a cada grupo de 100 mil no Brasil e costuma afetar pessoas mais jovens, sobretudo mulheres.

Em entrevista ao programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central AM e RBC FM, edição desta quarta-feira, 26, o médico neurologista Fernando Elias explicou que a esclerose múltipla é uma doença inflamatória autoimune que provoca crises de déficit neurológico. O paciente apresenta sinais de perda visual, ou de força, sensibilidade e equilíbrio.

Surtos

De acordo com o médico, isso ocorre isoladamente ou em associação, em surtos. “O paciente tem crises de piora neurológica, com recuperação parcial ou completa. Essa recuperação pode dificultar o início do diagnóstico porque o paciente pode não perceber ou não interpretar aquilo como algo grave”, alertou.

Fernando Elias afirmou ainda que a esclerose múltipla é uma doença com características muito típicas. A primeira suspeita diagnóstica é feita durante um evento neurológico agudo, onde o paciente perde uma função e a recupera parcialmente ou completamente.

Ele citou um exemplo. Se o paciente perde a visão de um olho, associado a um quadro de dor ocular, e vai procurar o oftalmologista inicialmente, esse médico tem de estar preparado para identificar que isso pode ser uma doença ligada ao sistema nervoso central e não ao olho em si, e encaminhá-lo a um neurologista.

Diagnóstico

“Então, não necessariamente o paciente vai procurar um neurologista de imediato. E isso dificulta o nosso trabalho, porque muitas das vezes o paciente pode não ser encaminhado precocemente, e o diagnóstico pode ser tardio”, ponderou.

Conforme o neurologista, atualmente o tratamento da esclerose múltipla é muito eficiente para evitar as crises, os surtos. Por isso, quanto mais cedo o diagnóstico for definido por um neurologista, mais cedo o tratamento é iniciado e se tem o controle da doença. “E o controle da doença melhora muito a qualidade de vida do paciente”, disse. Garantiu que pacientes portadores de esclerose múltipla podem conseguem viver décadas com estabilização boa, parcial ou completa da doença, sem evolução.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.