Corte de verba federal não impediu funcionamento de UTI Covid em Goiás, diz secretário

Em entrevista à RBC, Ismael Alexandrino disse que pleito do Conass pela retomada de recursos foi feito ao Ministério da Saúde, que o encaminhou ao Ministério da Economia; crédito suplementar para atender todo País é estimado entre R$ 5 bi e R$ 10 bi

O secretário de Estado da Saúde, Ismael Alexandrino, afirmou nesta quarta-feira, 10/02, que o corte de verba federal para o custeio de leitos de UTI destinados a pacientes da Covid-19 não impediu que eles continuem funcionando em Goiás. O que ocorreu, explicou, é que o Estado e também municípios passaram a ter mais pressão em seus cofres, para manter o funcionamento deles.

A declaração foi feita durante entrevista concedida ao programa O Mundo em sua Casa, das rádios Brasil Central AM e RBC FM. Conforme o secretário, esse corte de verba federal aconteceu em todo o País. Por isso, trabalho conjunto, por meio do Conselho Estadual de Secretários de Estado de Saúde (Conass), tem como pauta “mais pujante” hoje, junto ao Ministério da Saúde, o pleito para que sejam liberados recursos e reabilitados leitos que outrora estavam habilitados, e outros também que têm sido abertos.

“Sabemos que no ano passado foi aprovado o chamado Orçamento de Guerra, teve uma lei específica para isso; e este ano não tem mais a cobertura dessa lei, não entrou no orçamento ainda”, afirmou. O secretário ponderou que, como a pandemia não acabou, e certamente vai demorar um pouco para acabar, o Conass fez o pedido junto ao Ministério da Saúde, que por sua vez transmitiu a demanda ao Ministério da Economia.

Expectativa

Ismael Alexandrino disse que os secretários Estaduais de Saúde estão na expectativa de que, talvez esta semana, possa ocorrer a liberação de crédito extraordinário do orçamento do governo federal para ser destinado ao enfrentamento da Covid-19. Ele estimou que o valor deverá ficar entre R$ 5 bilhões e R$10 bilhões para o Brasil todo.

O titular da Pasta da Saúde comentou ainda o fato de uma cepa diferente do coronavírus em um paciente de Ceres, ter sido confirmada pelo Instituto Adolfo Lutz. O laboratório paulista apontou também se tratar de um caso de reinfecção na mesma pessoa por essa variante, acrescentou. Segundo ele, este caso reforça o alerta de que a pessoa já ter tido uma vez a doença não significa que pode estar absolutamente imune e isenta de contraí-la novamente.

Vacinação

Ismael Alexandrino falou ainda sobre o início de nova etapa da vacinação de Covid em todo o Estado, após o recebimento ontem de mais 77.800 doses da vacina. “Hoje isso chega para todos os municípios, de forma que até amanhã todas as pessoas que estão acima de 85 anos iniciam a sua vacinação, e aquelas pessoas também acamadas acima de 60 anos. Esse é o foco agora dessa fase de vacinação: as pessoas idosas”, afirmou.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.