Nem todas as aulas presenciais estão liberadas, diz conselheiro

Para Weverton Guimarães, o ensino online veio para ficar e já foi autorizado a funcionar em Goiás até o final de 2021

As aulas presenciais no ensino infantil já estão liberadas nas redes pública e particular, mas as do ensino fundamental e médio ainda esperam a conclusão do processo de liberação, que depende da chancela do governador Ronaldo Caiado. As informações foram transmitidas por Weverton Guimarães, conselheiro do Conselho Municipal de Educação de Goiânia, em entrevista hoje ao TBC 1, da TV Brasil Central. Para ele, as escolas já estão preparadas, muitos alunos querem voltar, mas há uma porcentagem considerável de pais que prefere esperar mais um pouco.

Segundo ele, há dois grupos, rede pública e rede privada, esta com mais facilidade de organizar o retorno, “porque muitas vezes há um proprietário só de uma ou mais escolas, enquanto que na pública, como em Goiânia, há 300 escolas para serem geridas”. Afirmou que a rede privada vai conseguir retornar mais rápido, porque a maioria das escolas tem condições de organizar o retorno e cumprir os protocolos, desde que os pais queiram que haja o retorno.

Educação Infantil

“Na educação infantil, em Goiânia, o prefeito já baixou um decreto e o Conselho Municipal de Educação já regularizou a volta às aulas. Aí, o aluno tem o direito de voltar. Se apenas um quiser fazê-lo, ele tem o direito’, afirmou, observando que, no ensino fundamental e no médio, o processo está incompleto. “Houve autorização do COE (Centro de Operações de Emergências) na semana passada, ontem uma nota da Secretaria de Saúde, mas ainda aguarda-se um decreto do governador e a normatização desse retorno pelo Conselho Estadual de Educação”, confirmou, acrescentando que a educação infantil está autorizada 100% a voltar.

Mas, para o retorno, há regras a serem cumpridas, por exemplo a capacidade de 30% dos alunos na educação infantil e também para o fundamental de 30% da capacidade de alunos que cada sala comporta. Informou também que no fundamental e médio deve ser feito um rodízio para atender todos os alunos e que, nesse caso, a escola terá de ser híbrida, com parte presencial e parte online. Na opinião dele, no entanto, as aulas online vieram e vão ficar por muito tempo, pois até mesmo o Conselho Municipal de Educação já validou as aulas online até o final de 2021.

Cronograma e calendário

Quanto a querer retornar às aulas, ele informou que pelo que tem visto há uma média entre os que querem e os que não querem que os filhos retornem às salas de aula. Acredita que mais à frente essa proporção possa mudar. Mas, como estamos no final do ano, observou, muitos pais estão definindo esperar até janeiro para verem o que vai acontecer. “As férias vão acontecer normalmente. As escolas ficaram no Reanp (Regime Especial de Aulas Não Presenciais) online, cumprindo o seu cronograma e a maioria está seguindo normalmente, assim como o calendário também.

Perguntado se vale a pena voltar presencialmente a aula, ele disse que sim, “porque muitos pais não se adaptaram ao online”. Afirmou ainda que vem o final do ano e “há um grupo de aluno que chega para fazer a famosa recuperação e aí há um atendimento mais personalizado”, fazendo com que haja a possibilidade de um melhor aprendizado, pelo contato com colegas e professores e pela afinidade com o ambiente escolar.

Confira a entrevista na íntegra:

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnologicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.