Cientista político analisa os novos caminhos da Prefeitura de Goiânia com a efetivação de Rogério Cruz

Com a morte do prefeito eleito Maguito Vilela, o vice foi confirmado no cargo de prefeito pela Câmara Municipal; fica a expectativa de como será o trabalho dele como gestor da capital

A Câmara Municipal de Goiânia realizou na última sexta-feira, 15,  a sessão de posse de Rogério Cruz,  como prefeito da capital. A cerimônia marcou um novo momento político para Goiânia. Com o falecimento do prefeito eleito, Maguito Vilela, seu vice, Rogério Cruz foi efetivado no cargo, e deixa agora uma expectativa de como será seu trabalho

Filiado ao Partido Republicanos, Rogério Cruz é pastor, ex-vereador e não possui experiência em cargo administrativo, mas é formado em gestão pública. Também tem experiência como radialista e administrador. Ele é casado, tem dois filhos, e foi missionário na África por dois anos.

Para ajudar a tentar traçar um novo cenário para a Prefeitura de Goiânia, sob o comando de Rogério Cruz, o cientista Pedro Célio concedeu entrevista nesta segunda-feira, 18, ao programa O Mundo em sua Casa das Rádios Brasil Central AM e RBC FM. “Minha visão é que a mudança (no estilo da gestão municipal de Goiânia) deve acontecer, mas ela não deve ser abrupta”, avaliou.

O cientista político disse acreditar que, da parte de Rogério Cruz, não há interesse nenhum em criar algum atrito ou aresta com a base de apoio (político) da qual ele fez parte desde o início (da campanha eleitoral), que é  a composição com o MDB, com o núcleo de Maguito Vilela.

Para Pedro Célio, o novo prefeito deve manter, nesse instante que é o ponto de partida,  todas as orientações, a linha programática, as formas de negociação e os acordos políticos para sustentar a gestão que o grupo do Maguito vinha costurando, representado principalmente pelo filho do politico – Daniel Vilela.

Transição branda

“Agora, é claro, que mudança vai acontecer, porque o Rogério Cruz passa a ser o prefeito de fato, passa a ser o titular do cargo, coisa que não era, ele era apenas um interino. Então, a tendência de mudança, para mim, sinaliza a partir de uma transição branda, gradual, mas seguramente vai acontecer”, afirmou. Ele lembrou que, no momento, há uma presença ativa do MDB na Prefeitura de Goiânia – visível na composição do secretariado, na orientação da gestão e nos documentos patrocinados.

O cientista político apontou que mudanças deverão acontecer, “pouco a pouco”, com “algumas pitadas que o novo prefeito vai colocar, em termos de seu estilo, predileções e, principalmente, de sua personalidade politica, que agora ele deve revelar qual é”. Pedro Célio lembrou que a outra mudança se deve ao fato do cargo de vice-prefeito de Goiânia passar a ser ocupado pelo presidente da Câmara Municipal, Romário Policarpo.

Cenários futuros

Sobre os cenários futuros, o cientista político pontuou que as prospecções passam pelo ano de 2022, antes mesmo de 2024, quando o atual prefeito poderá concorrer à reeleição. Isso porque 2022 será um momento “de inflexão na política”, com a realização das eleições gerais. Nesse pleito, o papel das máquinas políticas utilizadas nas administrações das grandes capitais tem peso regional muito decisivo, argumentou.

Na avaliação de Pedro Célio, o papel do prefeito de Goiânia, como liderança política, numa eleição geral para governador e presidente da República, “certamente” tem um peso, assim como a cota de boa ou má avaliação que ele terá ao participar do processo eleitoral de 2022.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.