Bolsa Qualificação começa a ser concedida em 60 municípios goianos

Secretário da Retomada, César Moura, explicou que o benefício será destinado inicialmente aos moradores dos municípios mais vulneráveis do Estado e depois estendido aos demais

Pelo quinto mês consecutivo, Goiás registrou saldo positivo de quase 12 mil postos na geração de emprego de carteira assinada em maio último, de acordo com estatística do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia. Entretanto, a Secretaria de Estado da Retomada aponta que, das 35 mil oportunidades de trabalho criadas em um ano, apenas 10% foram preenchidas.

Em entrevista concedida nesta quarta-feira, 28, ao programa O Mundo em sua Casa, o secretário da Retomada, César Moura, explicou que a grande dificuldade da população para ocupar essas vagas de emprego é a falta de qualificação profissional. Por isso, o Governo do Estado está reforçando os cursos de qualificação. Entretanto, segundo ele,  por não terem condições de se sustentar, algumas pessoas acabam abandonando o curso assim que aparece um “bico” ou uma oportunidade temporária de trabalho.

“Então a gente criou a Bolsa Qualificação, para que as pessoas consigam fazer o curso com tranquilidade, se qualificar e crescer; e com esse conhecimento poder ocupar essas várias vagas de empregos que nós temos oferecido”, afirmou. César Moura informou que, inicialmente, o benefício será concedido nos 60 municípios mais vulneráveis do Estado. Nessas localidades serão levantadas as carências de qualificação e as áreas de interesse da região para a realização dos cursos.

Teste

César Moura acrescentou que, em alguns casos, o trabalhador vai receber o cartão da Bolsa Qualificação já no início do curso de qualificação. O benefício está sendo concedido, como teste, em Americano do Brasil e Edeia. Em seguida será levado para outros municípios mais vulneráveis, e depois estendido a todos os demais, anunciou.

Com a gestão da Secretaria da Retomada, a Bolsa Quailficação é destinada às pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica que participam de cursos profissionalizantes ofertados pelos Colégios Tecnológicos do Estado. O valor é de R$ 250,00, conforme a carga horária do curso, limitado a três parcelas e a uma bolsa por aluno.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.