Baixa cobertura vacinal em Goiás liga sinal de alerta

Superintendente da Secretaria de Saúde chama atenção para os riscos da volta de doenças já extintas, como a poliomielite

Goiás vem registrando níveis baixos de cobertura vacinal em todas as principais vacinas para o público infantil. Desde 2019, a procura por vacinas fundamentais na primeira infância tem ficado abaixo do recomendado pelo Ministério da Saúde, que é de pelo menos 95% da população-alvo.

Na poliomielite, por exemplo, a cobertura vacinal caiu de 100% para 75%, febre amarela queda de 100% para 62% e redução na proteção contra meningite (45%) e sarampo (44%). No total, 9 vacinas importantes para crianças estão com cobertura vacinal bem abaixo do recomendado pelo Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

Superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Flúvia Amorim participou do Jornal Brasil Central desta quinta-feira (9) e chamou atenção para os riscos que a baixa imunização traz para as crianças. Segundo Flúvia Amorim, estudos mostram que boa parte da baixa procura pelas vacinas se deve à crença nas chamadas fake news, informações falsas que circulam pela população sobre as vacinas e seus efeitos.

A superintendente informou que a SES vai seguir com campanhas de informação e incentivo aos pais para a retomada dos níveis de cobertura vacinal no estado. Ela ainda aproveitou a entrevista para conclamar os adultos que vão curtir o carnaval deste de forma presencial para antecipar a imunização contra a Covid 19.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.