Apesar da pandemia, contratos de estágio aumentam em Goiás

Paula Denise, supervisora do CIEE, disse no TBC 1 que contrato simplificado e aptidão dos jovens para tecnologia e teletrabalho explicam a alta

Paula Denise Neto, supervisora do CIEE, e a apresentadora Michelle Bouson nos estúdios da TBC

Apesar da crise econômica provocada pela pandemia de coronavírus, o número de novas vagas de estágio cresceu 206% em Goiás nos últimos três meses terminados em julho, segundo o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). Segundo a entidade, as facilidades de contrato sem vínculo empregatício e as aptidões dos jovens para tecnologia e teletrabalho explicam o crescimento.

“Nós acreditamos que o fato de o estágio ser uma modalidade de contrato mais simples para o empregador e também em virtude das facilidades que os estudantes têm com mídias sociais e o trabalho em home office contribuíram bastante para esse crescimento”, disse Paula Denise Neto, supervisora do CIEE, em entrevista nesta sexta-feira, 7, a Michelle Bouson no telejornal TBC 1 da TV Brasil Central.

Segundo ela, as áreas que mais demandam contratos de estagiários têm sido a administração, contabilidade, informática, engenharia, arquitetura, design, publicidade e cursos técnicos. A seleção dos estagiários tem sido feita pela internet. Paula Denise diz que o CIEE já oferecia a possibilidade de o estagiário fazer inclusive um vídeo de apresentação em seu cadastro no site da entidade.

Questionada se esses novos estagiários estariam substituindo com menores custos os profissionais demitidos nas empresas, a executiva do CIEE respondeu ser possível num caso ou outro, mas não na maioria dos contratos, já que o estagiário cumpriria requisitos diferentes em termos de qualificação, relação direta com sua área de estudo e carga horária reduzida.

Confira a entrevista completa:

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnologicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.