Aparecida de Goiânia decide fechar tudo aos domingos, para evitar proliferação da Covid-19

Secretário da Saúde afirmou que, se os casos aumentarem e for necessário, a cidade pode voltar ao isolamento total como o que fez no mês de março

O secretário de Saúde de Aparecida, Alessandro Magalhães, e a apresentadora Michelle Bouson, nos estúdios da TBC

Depois de constatar 160 novos casos e uma morte pela Covid-19 nas últimas 24 horas, a administração de Aparecida de Goiânia subiu o nível de perigo da doença e decidiu que no próximo domingo todo o comércio e os serviços não essenciais serão fechados. O fechamento se dará somente aos domingos e a previsão de retorno vai depender da progressão da doença no município. Essas informações foram repassadas pelo secretário de Saúde de Aparecida, Alessandro Magalhães, ao ser entrevistado hoje, 26, por Michelle Bouson no telejornal TBC 1, da TV Brasil Central.

Segundo ele, a flexibilização do comércio em Aparecida de Goiânia ocorreu dia 28 de abril e já está completando dois meses. “Tem 20 dias que fizemos o escalonamento, tentando alcançar o distanciamento de 50%. Mas o crescimento de casos dentro do município fez com que a gente saísse do risco verde para o risco amarelo. Isso faz com que a gente feche a cidade aos domingos”, disse Alessandro, informando também que o escalonamento já acontecia com o fechamento do comércio e serviços por um dia da semana em regiões alternadas. Agora, segundo ele, todos os estabelecimentos comerciais que não são essenciais terão de fechar aos domingos, “a partir de agora até a gente voltar para o risco verde ou progredir para o risco laranja, que aí aumenta mais o escalonamento”. 

Nessa decisão estão incluídos também os shoppings da cidade e todos os serviços não essenciais. Ele informou ainda que é possível rever o escalonamento de setores do comércio de Aparecida, dependendo da situação. “Se a gente tiver um agravamento da situação, teremos que reanalisar os cenários e até podendo voltar aquele cenário de março, quando tudo ficou fechado. O prefeito Gustavo Mendanha tem sinalizado isso, até mesmo antes de a gente progredir de risco. Ele mostrou preocupação. E sinalizou que caso a gente chegue a 70% da taxa de ocupação dos hospitais a cidade fecharia, conforme foi feito lá em março”, observou.

Testagem

Alessandro disse também a cidade criou um serviço de testagem que tem atingido um índice mais de duas vezes maior que o brasileiro. “Desde o dia 22 de abril a gente criou um programa de testagem e estamos testando cada vez mais. Ontem, nós testamos aproximadamente 900 pessoas em Aparecida. Hoje, nosso parâmetro está em 28 testes para cada mil habitantes. Recentemente, foi falado que o Brasil está testando 12 pessoas para cada mil habitantes. Já passamos a Coreia do Sul que foi exemplo de testagem no mundo”, finalizou.

A entrevista está disponível na íntegra abaixo:

ABC Digital