Alunos já podem fazer a renovação e a migração para o Universitário do Bem

De acordo com a diretora do Probem, Rúbia Prado, as renovações vão até 31 de janeiro e os estudantes podem pedir a migração automática do Bolsa Universitária para o novo programa

As renovações da antiga Bolsa Universitária e hoje Universitário do Bem (Probem) se iniciaram ontem e vão até 31 de janeiro, podendo ser feitas de forma eletrônica no site da OVG, que é a coordenadora, e todos os antigos beneficiários serão migrados automaticamente para o novo programa. As informações foram repassadas pela diretora do Probem, Rúbia Prado, em entrevista concedida hoje, 7/1, no telejornal TBC 1 da TV Brasil Central, onde explicou o passo a passo para os estudantes fazerem a migração.

“No site www.ovg.org.br, o aluno clica no baner do Probem, entra na Central de Informação do Bolsista, loga com o usuário e senha, vai preencher um formulário eletrônico com seus dados pessoais e do seu grupo familiar; em seguida, anexa os documentos de comprovação dos rendimentos e, por último, preenche a pesquisa que vai perguntar se ele pretende continuar com a avaliação dos critérios econômicos de renda, da antiga Bolsa Universitária, ou se ele quer migrar para avaliação do CadÚnico, que é exigência do Probem. Depois, ele conclui e o programa fará a renovação automática para o Probem”, sintetizou.

Probem

O Probem tem novos critérios, está ancorado em estudo atualizado em conjunto com a Fundação de Amparo à Pesquisa de Goiás (Fapeg) e o Instituto Mauro Borges e dá oportunidade àqueles que estão inseridos no Cadastro Único (CadÚnico), que é nacional, e define a condição social das famílias nele inseridas. Para Rúbia, o Probem vai considerar a vulnerabilidade da família, as condições de vida dela, com informações retiradas do CadÚnico, onde se considera a qualidade de moradia, renda,  dificuldade de acesso à educação e outros critérios que definem a carência do candidato.

O novo programa vai custear 50% das mensalidades até o limite de R$ 650,00, muito melhor do que era, pois cobria apenas uma média de 35% da mensalidade. “Com o Probem, para a maioria dos cursos, haverá um limite de R$ 1.500,00 e, para Odontologia e Medicina, a parcial será de R$ 2.900,00 e a integral até o limite de R$ 5.800,00. Hoje, um aluno de Medicina que não tem a bolsa integral recebe apenas R$ 300,00, o que é praticamente nada”, explicou Rúbia.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.