Agência Brasil Central está adiantada no Programa Inventário 2020

Relatório da ABC está praticamente concluído, antes do prazo determinado pela Secretária de Estado da Administração, que é dezembro próximo

A Agência Brasil Central está adiantada na elaboração do relatório do Programa Inventário 2020, lançado pela Secretaria de Estado da Administração (Sead) no dia 1º de setembro último. O relatório da ABC está praticamente concluído antes do prazo determinado pela Sead, que é dezembro próximo.

Conforme o diretor de Gestão Integrada da Agência Brasil Central, Wagner Oliveira Gomes, o trabalho do inventário patrimonial está bem adiantado na ABC, diante do cronograma estabelecido pela Sead. Ele lembrou que esse inventário é uma atividade estratégica e importante para todos os órgãos estaduais. Disse ser também fundamental para a prestação de contas do Governo do Estado junto ao TCE.

“É um trabalho coletivo”, destacou o diretor. Foi criada uma Comissão de Inventário, composta por representantes de todas as áreas da Agência. Os servidores trabalharam, levantando todos os bens patrimoniais da ABC, envolvendo as rádios, a TV, a parte administrativa, a Tecnologia da Informação (TI) e todos os equipamentos, informou.

Rádios

Segundo o presidente da Comissão do Inventário, Orimar dos Santos Rigonato,  o relatório do inventário patrimonial móvel da ABC foi praticamente concluído no último dia 9. Segundo ele, o único setor em aberto da Agência é o das Rádios. Nele estão faltando apenas os dados relacionados ao novo estúdio e à nova redação das Rádios, que passam no momento por obras de readequação. Os móveis para estes espaços foram adquiridos e está sendo providenciado o pagamento dos itens para incluí-los no Patrimônio.

Ao todo, conforme Orimar, o inventário apurou que a ABC possui 4.920  itens, abrangendo mobiliário e equipamentos. Tudo foi devidamente levantado e catalogado pelos integrantes da Comissão. O trabalho foi realizado por nove servidores da Agência.

Administração pública

O diretor de Gestão Integrada ressaltou ainda que o inventário é realizado anualmente. Ele classificou o trabalho como “muito importante” para qualquer administração, sobretudo a do setor público. “É através do inventário que a gente vai conhecer a administração dos bens móveis, o que a Agência tem, como estes bens estão dispostos e se estão devidamente registrados, porque eles possuem um valor patrimonial expressivo”, explicou.

Para Wagner, é muito importante para a gestão pública ter um inventário “atualizado, certinho, correto”. No caso do Governo do Estado de Goiás, exemplificou, é indispensável contar com o inventário dos 40 órgãos. Isso porque, avaliou, de repente um órgão tem um bem que não está sendo utilizado e que pode ser cedido a outro.

O servidor Florêncio Alves Oliveira integrou o grupo de inventariantes dos bens patrimoniais da Agência Brasil Central. “Foram quase 5 mil bens auditados, checados e verificados. Cada membro da equipe trabalhou com muita dedicação e conseguimos cumprir as metas da direção”, afirmou. Para a servidora pública Vera Lúcia Barbosa de Sá, foi um trabalho gratificante e cumprido a contento, devido à colaboração de todos os integrantes da Comissão do Inventário.

No lançamento do Programa Inventário 2020, no início de setembro último, o secretário de Estado da Administração, Bruno D’Abadia, afirmou que a boa estrutura do inventário do Governo Estadual garantirá uma gestão mais eficiente dos recursos públicos. De acordo com o secretário, o programa vai propiciar mais economia para o Estado, uma vez que ele deixar de realizar novas aquisições.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnologicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.