Adequação dos gastos públicos foi fundamental para ótimo desempenho do Estado

Em entrevista ao TBC2, Cristiane Schmidt comentou o fato de Goiás ter sido o Estado que mais reduziu despesas este ano, de acordo com relatório da Secretaria do Tesouro Nacional

Foto da secretária da Economia Cristiane Schmidt no estúdio do TBC2 sendo entrevistada por Guilherme Rigonato

Fazer a adequação dos gastos públicos é fundamental para sobrar dinheiro e atender a população goiana. A afirmação é da secretária de Estado da Economia, Cristiane Schmidt, que esteve no estúdio do TBC2 nesta terça-feira, 27. Na oportunidade, ela conversou com o apresentador Guilherme Rigonato.

A secretária comentou o fato de Goiás ter sido o Estado que mais reduziu despesas de janeiro a junho deste ano, na comparação com mesmo período de 2019, conforme aponta relatório da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), órgão do Ministério da Economia. O Governo de Goiás registrou queda de 8% nas despesas correntes no período.

Situação drástica

Cristiane lembrou a situação drástica dos cofres públicos estaduais verificada no início desta gestão, em janeiro do ano passado.”Tanto é que levamos o ano de 2019 completo para equilibrar o salário do servidor. Hoje nós estamos pagando o servidor em dia, no mês de competência”, afirmou. Acrescentou que governo tem pago o servidor no último dia útil do mês, mas já com um forte ajuste (fiscal) desde 2019.

Citou também que, no ano passado, foram feitas reformas estruturais relevantes, como a da Previdência, o que já garantiu uma economia em 2020 de R$ 260 milhões.Outras medidas foram o novo Estatuto do Servidor e o novo Código de Meio Ambiente para atração de investimentos.

E adiantou que estão sendo feitas outras reformas estruturais relevantes, juntamente com uma contenção de gastos no custeio. “A gente está otimizando os recursos públicos”, disse. Completou que o objetivo, com o ajuste fiscal, é abrir margem para atender os 7,2 milhões de goianos.

No segundo bloco da entrevista, a secretária Cristiane Schmidt afirmou que a população começa a sentir os efeitos de contenção de despesas do Estado, sem atingir o que o governo mais preza, que são a saúde, a educação, a assistência social a quem mais precisa. Segundo ela, o Estado recebeu, de transferências do governo federal, recursos de R$ 1,5 bilhão ao longo dessa pandemia, que foram utilizados “da forma mais correta possível”.

“Naquelas áreas em que precisa o Estado estar presente, eu não tenho dúvida de que o governador Ronaldo Caiado está fazendo uma administração que é, talvez, a melhor do Brasil, porque ele está atendendo de maneira adequada“, disse. Ponderou que ainda há problemas e muito dever de casa a fazer.

Citou que o número de desempregados de Goiás está quase chegando à casa de 1 milhão, considerado elevado para uma população de 7,2 milhões de habitantes. “É esse desempregado que a gente quer atender. A gente quer diminuir o custeio do governo para atender a população. A gente não quer viver para nós mesmos”, frisou.

ABC Digital

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.