HOME

INSTITUCIONAL

DIÁRIO OFICIAL

TV BRASIL CENTRAL

Notícia

HGG: atendimento humanizado e muita cultura para os pacientes
Publicado em: 2017-09-04 17:38:50

Um hospital cheio de sons, cores e sorrisos. Na capital de Goiás, Goiânia, existe uma unidade 100% Sistema Único de Saúde que oferece muito mais que tratamentos em múltiplas especialidades médicas. Oferece também cultura. Muitos consideram um hospital arte.

A descrição é do Hospital Geral de Goiânia, o HGG, que há cinco anos, após a transferência da gestão para a Organização Social Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech), foi iniciado o processo de humanização do hospital, tornando-o referência quando se fala em saúde pautada no respeito mútuo, numa administração horizontal, onde pacientes, funcionários e médicos têm direito, voz e vez, sendo assim protagonistas do fazer saúde.

Esse processo inclui vários projetos que estão sendo desenvolvidos na unidade com o objetivo de complementar a humanização hospitalar e ainda, promover a inclusão cultural. Sarau do HGG, Arte no HGG e Riso no HGG são alguns que têm deixado o hospital mais leve. Tem até paciente que diz que o lugar parece um hotel. Esses projetos ocorrem em parceria com os artistas, que são voluntários.

Um destaque a parte é o técnico de enfermagem do Hospital, José de Paula Gonçalves. Por conta própria, ele decidiu tocar violino para os pacientes. Nos intervalos do seu trabalho ou mesmo quando está de folga, tem levado a música clássica para dar mais alegria a todos da unidade hospitalar. “Nem sempre é aquele remedinho que eles estão precisando, mas é um remedinho para a alma”, disse o colaborador.

A história do técnico de enfermagem José de Paula Gonçalves é recheada de emoções. Ainda criança, já sabia que seu caminho era a enfermagem. “Quando eu tinha oito anos vi minha madrinha fazendo um curativo no umbigo do meu sobrinho. Achei bonito o cuidado que ela teve. Naquele momento já decidi o que eu queria”, conta.

Há duas décadas na enfermagem, José de Paula trabalha no HGG desde 2013 e atualmente está na ala de Cuidados Paliativos, onde dá mais conforto para aqueles que não têm mais chances de cura. “Deus emprestou a vida para gente. Ele dá e toma quando acha por bem. Cada um tem um sentimento de perda diferente e temos de respeitar.”

A música foi um alento para momentos difíceis na vida do técnico de enfermagem e ainda o ajudou com um problema grave de audição que o acompanha desde o seu nascimento. “Amo, respiro e vivo a música. Minha alegria é esta”, disse José de Paula, que, cuida dos pacientes do HGG e também da sua mãe com Alzheimer.

Sarau do HGG

Completou quatro anos neste mês de agosto. A iniciativa reúne centenas de músicos voluntários que já levaram mais de 350 horas de músicas para pacientes, acompanhantes, colabores e visitantes da unidade.

A paciente Santina Pereira da Silva, de 63 anos, se emocionou com a apresentação que a fez lembrar dos tempos de infância. “Foi maravilhoso, tocou no fundo da minha alma! Me fez lembrar de quando eu era criança, dos meus parentes, foi muito bom.” disse após participar de um sarau.

Recuperando-se de um atropelamento, Miguel Aires França, de 73 anos, gostou tanto que queria mais música. “Achei as músicas lindíssimas e o cantor canta muito bem. Dei uma animada, queria até que ele cantasse mais. Amei esse projeto de música no hospital, aliás, tudo aqui está uma maravilha, quero até ficar mais uns dias”, brincou o aposentado.

Oficina de arte

No HGG, os pacientes podem participar quinzenalmente de oficinas de arte de pintura à óleo, sob orientação do coordenador da Escola de Artes Visuais (EAV), Alexandre Liah. A corretora de imóveis, Eva Barbosa dos Santos, de 60 anos, estava internada para a realização de uma cirurgia de vesícula e avaliou positivamente a atividade pela oportunidade de interação. “É sempre bom conhecer pessoas diferentes e para cima, por isso valeu a pena. Achei muito legal o projeto, é importante para os pacientes que estão meio estressados como eu e descem um pouquinho. Foi top, muito bom!”, considerou, reiterando o elogio ao projeto. “Continuem fazendo esse trabalho, que é muito legal, só tem a ajudar”, complementou.

Riso no HGG

O Ambulatório do hospital se transforma em um grande teatro para o espetáculo de humoristas. Os shows têm duração de cerca de uma hora e fazem todos rirem muito e esquecer da doença ou do momento difícil que estão passando.

As atividades acontecem a todo instante, mas os projetos especiais tem uma periodicidade própria. O Sarau no HGG ocorre todas às quintas-feiras; as oficinas de arte são realizadas às terças, quinzenalmente; os shows de humor são apresentados uma vez ao mês; e as exposições de arte são trocadas a cada trimestre. Mas não para por aí, até Carnaval os pacientes pularam dentro do hospital.

Fonte: Goiás Agora

   

ABC- Agência Brasil Central. Rua SC-01, nº 299, Parque Santa Cruz, Goiânia - GO CEP: 74.860-270 Fone: (62) 3201-7600
© Copyright 2015. Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela Agência Brasil Central.

Privado