Prefeito de Abadiânia diz que a cidade se recupera do baque na Casa Dom Inácio e exalta parcerias com o governo estadual

Segundo José Aparecido Diniz, o turismo no Lago Corumbá IV e a instalação de novas indústrias dão novas perspectivas ao município

Prefeito de Abadiânia, José Aparecido Diniz, nos estúdios da Rádio Brasil Central

Na programação que comemora os 70 anos da Rádio Brasil Central AM, o radiojornal O mundo em Sua Casa entrevistou hoje o prefeito de Abadiânia, José Aparecido Diniz, que fez um balanço do trabalho que vem realizando para que a cidade se recupere do baque que sofreu em dezembro de 2018, com a prisão do médium João de Deus, responsável pela Casa Dom Inácio. Ele disse que a cidade sofreu um baque grande, mas já está se recuperando, com novos investimentos industriais, um trabalho bem feito pela Prefeitura e com as novas perspectivas ao turismo do Lago Corumbá IV, na parte que fica no seu município.

Depois do episódio que envolveu João de Deus, “voltamos nossas atenções para o Lago Corumbá IV. Temos feito um trabalho para atrair o turista” e, segundo ele, esse trabalho tem sido exitoso. “Já na nossa gestão conseguimos pavimentar 19 quilômetros dos 28 quilômetros entre Abadiânia e o Lago e com isso cresceu muito a procura de pessoas do Estado de Goiás todo e de Brasília pra que pudesse fazer seus investimentos nas margens do Lago Corumbá IV. Com isso nós conseguimos financeiramente devolver ao município de Abadiânia tudo aquilo que ele perdeu com relação à Casa Dom Inácio”, afirmou.

Observou que, na questão envolvendo a economia, a recuperação pode ser considerada total, mas ainda não no caso financeiro. Informou que já conseguiu regularizar o lago e hoje obtém receita com ITBI e IPTU, “que antes não eram cobrados”. Situou que em 1º de janeiro de 2017, quando assumiu o mandato, já imaginava que um dia a Casa Dom Inácio poderia perder a sua principal estrela. “Pensando nisso, começamos o nosso trabalho, voltado, primeiro, pela BR-060, que corta o nosso município” e depois para a instalação de indústrias e geração de emprego.

“O governo do Estado tem contribuído muito para a atração de indústrias para Abadiânia. Graças à nossa amizade com o secretário da Indústria e Comércio, Wilder Morais, que é extremamente competente, ele tem dado a Abadiânia todo aquele apoio que precisamos nesse momento. Nós o procuramos, fizemos um relato e ele, de pronto, já deixou à nossa disposição a Codego e começamos um trabalho, para que a gente pudesse revitalizar o setor e pudéssemos levar para Abadiânia indústrias que gerassem emprego. Hoje, o grande prejuízo de Abadiânia foi na questão do emprego. Temos ainda muita dificuldade nessa questão. Financeiramente, para o município, está, graças a Deus, superado, mas com relação ao emprego temos muita dificuldade ainda”, sentenciou. 

José Diniz informou que levou para lá, em fase avançada para começar a operar, a indústria Ki Kaldo, cerealista e beneficiadora de feijão. “Isso já nos deu tranquilidade grande, para que atraíssemos mais indústrias. Está vindo a Saint-Gobain, da Brasilit. Os proprietários adquiriram uma área às margens da BR-060. Temos também a Solar Piscinas, que já está em fase avançada de instalação. Contamos também com o empenho do deputado federal Adriano Baldy, do deputado Hamilton Filho também, na inserção de Abadiânia nos incentivos fiscais, o que não acontecia até então”, discorreu o prefeito.

Disse ainda que, paralelamente a isso, voltou as energias para o Lago Corumbá IV, onde espera conseguir gerar o emprego perdido com relação ao turismo. “A partir de agora, com a autorização do governador Ronaldo Caiado, espero que a gente consiga concluir essa pavimentação asfáltica lá e teremos condição de receber melhor o turismo, com hotéis e restaurantes”, observou, acrescentando que a cidade é atraente como polo de desenvolvimento, porque está a 100 quilômetros de Brasília e a 100 quilômetros de Goiânia, numa posição estratégica. Aproveitou a oportunidade para divulgar o segundo torneio de pesca, em 1º de maio próximo.

Gestão

O prefeito José Diniz assinalou que não tem mais na sua administração dificuldade nenhuma com os fornecedores, porque a folha de salário está em dia, aplica os recursos exigidos pela lei em educação e saúde e teve “a honra e a satisfação” de poder corrigir o piso salarial dos professores como foi determinado pelo governo federal, em 12,83%. “Já pagamos este mês, vou pagar agora o mês de janeiro, parcelado em duas vezes, mas nós vamos cumprir”, confirmou. 

Ele disse também que não vê como facilitadora a desvinculação de recursos para a saúde e educação, mas acha que os municípios precisam ter suas arrecadações aumentadas. E usou um argumento forte e que é corrente no meio municipalista: “O cidadão mora é no município e precisamos, sim, que esse pacto federativo, que está para entrar em discussão, traga mais recursos para os municípios. Isso é importante. Mantemos nossas obrigações em dia, mas não conseguimos investir. Estou pavimentando dois bairros lá na cidade, mas com recursos do governo federal. Tenho convivência de 25 anos no Congresso Nacional e um relacionamento muito bom. Foi lá que conheci Roberto Leão, que hoje preside esta casa (a Agência Brasil Central). Acredito muito que esse pacto federativo vai sair do papel e vamos poder, todos os municípios do Brasil, fazer investimentos, para sanar diversos problemas que nós temos”.

Sobre o Pró Goiás, nova modalidade de incentivo proposto pelo Governo de Goiás, ele se colocou favorável e elogiou o governador Ronaldo Caiado por isso. “Precisamos parabenizar o governador Ronaldo Caiado pela interiorização do desenvolvimento. Ele está incentivando o Nordeste Goiano e Abadiânia entrou na relação. Isso é importante. O que a gente via é que as indústrias só queriam ir para os grandes centros. E hoje, com esses incentivos e essa nova forma de ver a situação do Estado, está nos beneficiando. As cidades do Entorno do DF e do Norte goiano estão recebendo um carinho especial do governo”. Assinalou que tem trabalhado muito e contado com a ajuda do governo federal e do governo estadual, “para que a gente possa render mais”. Ele foi entrevistado pelos apresentadores Gil Bonfim, Augusto César e o comentarista Cloves Reges.

ABC Digital