Diário do Isolamento II - "A virulência dos áudios do WhatsApp"

As últimas atualizações dos serviços de saúde são preocupantes, muito embora estejamos tomando medidas drásticas, mas que podem ajudar debelar esta crise. Vivenciamos um limiar entre a informação e o alarme. Entre o desespero e a esperança.

Nunca houve uma epidemia destas proporções com cobertura midiática ao vivo, em escala global. A verdade é que somos bombardeados por notícias do Coronavírus todos os dias, 24x7, em uma onda de informações que fica difícil saber exatamente o que é verdade, boato (mesmo que bem intencionado) ou desinformação por má-fé.

E, para piorar, ainda temos os famigerados áudios (e vídeos), das redes sociais – em especial o WhatsApp – que distribuem informações altamente duvidosas como verdade fossem.

Um vídeo, por exemplo, demonstra uma mulher deitada em uma maca, com muita dificuldade para respirar. Na descrição é informado que é uma paciente com COVID-19 na UPA do Setor Buriti Sereno. A Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Aparecida de Goiânia esclarece que a informação NÃO é verdadeira e que a unidade de saúde filmada não faz parte da rede pública da cidade.

Já em um áudio, uma mulher diz ter ouvido-do-marido-da-amiga-que-trabalha-no-Einstein que havia 100 pessoas na UTI, em estado gravíssimo e o Governo escondia esta informação. Instigava ainda uma corrida aos supermercados pois o caos estava para ser instalado. O boletim do Hospital Albert Einstein, de 18/03, dava conta que “no começo da manhã do dia 18 de março, estavam internados 45 pacientes, sendo 21 confirmados e 24 suspeitos para a Covid-19. Desses pacientes, 7 se encontram na UTI.” Repetindo, SETE pessoas na UTI.

Se formos todos correr desesperados aos supermercados neste momento, só conseguiremos estimular três coisas: 

  • O desabastecimento de víveres rapidamente, vide o caso do álcool gel, que virou ouro;
  • Aglomeração de pessoas, dando condições para que a propagação do vírus ocorra;
  • Pânico. Puro e simples pânico. 

A própria associação dos supermercados já garantiu que não há risco de desabastecimento, desde que, é claro, não haja essa sangria desatada estimulada por boatos e “pessoas bem informadas”. 

Busque filtrar as informações que recebe a respeito da pandemia. A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás tem um site bastante informativo a respeito: www.saude.go.gov.br. Já a OMS criou um espaço para acompanhar o quadro mundial. Com isso, pode-se ter uma base melhor de como anda a pandemia. Mas deve-se lembrar o seguinte: a atualização deste dispositivo é diária, mas se baseando nas informações repassadas por nosso Ministério da Saúde e respeitando um fuso horário diferente do nosso. Por exemplo, lá constam 291 casos confirmados no Brasil, enquanto que a grande imprensa dá já o número de 529 ocorrências (baseadas nas informações das secretarias de saúde dos estados), contra 428 pelo último balanço do Ministério da Saúde (na manhã de 19/03). 

A prevenção ainda é o remédio para o Coronavírus. Previna-se.

Texto: Cristiano Deveras/ABC Digital